O Presidente da Guatemala, Jimmy Morales, ordenou hoje a expulsão imediata do país do magistrado colombiano Ivan Velasquez Gomez, que dirige uma missão das Nações Unidas contra a corrupção ao Estado guatemalteco.

“Em nome do Presidente da República, do interesse do povo da Guatemala e do reforço do Estado de direito e das instituições, declaro Ivan Velasquez Gomez `pernona non grata´. Ordeno que abandone imediatamente a República da Guatemala”, anunciou o Presidente daquele país num curto vídeo difundido pelas redes sociais.

Ivan Velasquez dirige a Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, um organismo das Nações Unidas criado em 2006 para erradicar a corrupção e das atividades mafiosas no seio do Estado

Na quinta-feira, Velasquez e a Procuradora-Geral da Guatemala, Thelma Aldana, apresentaram uma ação no Supremo Tribunal para levantar a imunidade do Presidente Morales, suspeito de financiamento ilegal na campanha eleitoral de 2015.

Na sua mensagem em vídeo, o Presidente guatemalteco anunciou também a demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros do seu país, Carlos Raul Morales, que na sexta-feira recusou exigir a expulsão de Ivan Velasquez Gomez no decurso de um encontro em Nova Iorque com o secretário-geral da ONU, António Guterres.

No final dessa reunião, as Nações Unidas reiteraram, em comunicado, que mantinham a confiança em Ivan Velasquez Gomez.

Em 2015, o organismo internacional e o Ministério Público guatemalteco revelaram um escândalo de corrupção ligado ao sistema alfandegário e fiscal que levou à demissão e posterior detenção do Presidente à época, Otto Pérez.

Jimmy Morales, um antigo ator cómico e sem experiência política, ganhou as eleições presidenciais com a promessa de erradicar a corrupção, aproveitando o descontentamento popular contra os políticos tradicionais.