Corrupção

Presidente da Guatemala expulsa do país responsável da ONU contra a corrupção

104

O Presidente da Guatemala, Jimmy Morales, ordenou a expulsão imediata do país do magistrado colombiano Ivan Velasquez Gomez, que dirige uma missão das Nações Unidas contra a corrupção.

Esteban Biba/EPA

O Presidente da Guatemala, Jimmy Morales, ordenou hoje a expulsão imediata do país do magistrado colombiano Ivan Velasquez Gomez, que dirige uma missão das Nações Unidas contra a corrupção ao Estado guatemalteco.

“Em nome do Presidente da República, do interesse do povo da Guatemala e do reforço do Estado de direito e das instituições, declaro Ivan Velasquez Gomez `pernona non grata´. Ordeno que abandone imediatamente a República da Guatemala”, anunciou o Presidente daquele país num curto vídeo difundido pelas redes sociais.

Ivan Velasquez dirige a Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, um organismo das Nações Unidas criado em 2006 para erradicar a corrupção e das atividades mafiosas no seio do Estado

Na quinta-feira, Velasquez e a Procuradora-Geral da Guatemala, Thelma Aldana, apresentaram uma ação no Supremo Tribunal para levantar a imunidade do Presidente Morales, suspeito de financiamento ilegal na campanha eleitoral de 2015.

Na sua mensagem em vídeo, o Presidente guatemalteco anunciou também a demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros do seu país, Carlos Raul Morales, que na sexta-feira recusou exigir a expulsão de Ivan Velasquez Gomez no decurso de um encontro em Nova Iorque com o secretário-geral da ONU, António Guterres.

No final dessa reunião, as Nações Unidas reiteraram, em comunicado, que mantinham a confiança em Ivan Velasquez Gomez.

Em 2015, o organismo internacional e o Ministério Público guatemalteco revelaram um escândalo de corrupção ligado ao sistema alfandegário e fiscal que levou à demissão e posterior detenção do Presidente à época, Otto Pérez.

Jimmy Morales, um antigo ator cómico e sem experiência política, ganhou as eleições presidenciais com a promessa de erradicar a corrupção, aproveitando o descontentamento popular contra os políticos tradicionais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)