A pequena cidade de Ballangen, na Noruega, está destinada a receber o maior centro de dados do mundo. Quando estiver construído, o KOLOS vai tirar proveito do clima do Círculo Polar Ártico para reduzir os custos com eletricidade.

O KOLOS está a ser planeado e financiado por uma joint venture norte-americana e norueguesa com o mesmo nome, que garante que o complexo de edifícios vai atingir um recorde de consumo de 1000 megawatts de eletricidade. No seu site, garante que o clima frio de Ballangen e o acesso a energia hidroelétrica vão permitir reduzir os custos com energia em 60%.

A empresa garante que o KOLOS vai ser “um forte para dados”, uma vez que o local está “rodeado de água e colinas, o que permite uma proteção natural contra riscos físicos”.

O centro de dados vai criar diretamente entre 2000 e 3000 postos de trabalho (e Ballangen tem pouco mais de 2000 habitantes). Uma análise ao impacto económico garante ainda que vai indiretamente criar entre 10 mil e 15 mil postos de trabalho na região.

A região escandinava já não estranha a construção de grandes centros de dados — o data center do Facebook está a cerca de 400 quilómetros de Ballangen, na Suécia.

Por enquanto, o KOLOS ainda não saiu do papel. Toda a estrutura do complexo está pensada para se camuflar na região ártica envolvente, imitando até o curso natural de um glaciar.