O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares mostrou-se neste sábado convicto de que as negociações na Autoeuropa “vão correr bem” e será possível um acordo, pedindo serenidade e respeito pelas duas partes que estão a defender a sua posição. Pedro Nuno Santos falava aos jornalistas no final de um passeio pela Festa do Avante! — uma presença que enquanto governante acontece pelo segundo ano consecutivo -, tendo sido questionado sobre o impasse na Autoeuropa, cujos trabalhadores cumpriram na quarta-feira um dia de greve, a primeira paralisação por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela.

“Com alguma serenidade, respeitemos e vamos deixar que as negociações se desenrolem, porque nós temos a convicção plena de que elas vão correr bem e nós vamos ter um acordo e continuaremos com uma grande empresa em Portugal a produzir e a vender”, enfatizou, no Seixal (distrito de Setúbal).

O governante mostrou-se seguro de que “esse entendimento vai acontecer”, mas defendeu que todos têm que, “com alguma calma e serenidade, perceber que os trabalhadores estão a defender os seus direitos, estão a defender a sua posição, da mesma forma que a empresa faz o mesmo”.

“E algumas das apreciações que são feitas são perigosas e são desrespeitosas para quem trabalha porque num processo negocial as duas partes estão a defender a sua posição”, alertou.

A greve foi marcada após a rejeição de um pré-acordo entre a administração e a Comissão de Trabalhadores (que apresentou a demissão e convocou eleições para 3 de outubro), devido à obrigatoriedade de os funcionários trabalharem ao sábado, como está previsto nos novos horários de laboração contínua que serão implementados a partir do próximo mês de novembro.

Os trabalhadores alegam que, além do transtorno que a obrigatoriedade do trabalho ao sábado iria provocar nas suas vidas, a compensação financeira atribuída pela empresa é muito inferior ao que iriam receber pelo trabalho extraordinário aos sábados. De acordo com o novo modelo de horários, cada trabalhador iria rodar nos turnos da manhã e da tarde durante seis semanas e faria o turno da madrugada durante três semanas consecutivas, com uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana.