António José Alves da Silva, o revisor oficial de contas (ROC) que comprovou que a Yupido valia 28,8 mil milhões de euros no último aumento de capital da empresa, disse ao Observador que, quando viu a imagem da “televisão” que os fundadores e um grupo de técnicos lhe mostraram, lembrou-se logo de Steve Jobs. Não tem dúvidas de que vai “revolucionar o sistema”.

“O que me motivou para fazer esta avaliação foi olhar para aquilo e sabe de quem me lembrei? Lembrei-me de Steve Jobs. Foi quase a mesma coisa”, disse. Questionado sobre se acha que a Yupido pode ser tão disruptiva como foi a Apple, Alves da Silva respondeu que sim.

O ROC tem mais de 50 anos de carreira, é consultor da sociedade de advogados Rogério Fernandes Ferreira & Associados e é reconhecido pelos seus pares como um dos profissionais mais respeitados da área. Ao Observador, explicou que foi contactado apenas para fazer a avaliação do bem, mas que não podia revelar “os caminhos que seguiu para chegar aos 28,8 mil milhões” porque tinha assinado um compromisso profissional de sigilo.

“Reuni com algumas pessoas, os responsáveis pela empresa e alguns técnicos. Vi a imagem da televisão e pouco mais. Não sou nenhum técnico especializado, mas fiquei maravilhado“, refere. Segundo o que foi avançado pelo Eco, Alves da Silva escreveu no relatório que o bem era uma “plataforma digital inovadora de armazenamento, proteção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media” e que se destacava “pelos algoritmos que a constituem”.

No relatório consultado pelo Eco, o ROC assume que era da sua “responsabilidade a razoabilidade de avaliação do direito intangível em causa”. Ao Observador, Alves da Silva diz que três anos depois está “completamente confortável” com o valor que deu à “televisão” e reiterou o que também já tinha escrito no relatório: que o valor real podia ser ainda maior.

“Fiz este relatório há três anos. Quando se começar a ver esta tecnologia, se calhar o valor até é irrisório. Se esta tecnologia se efetivar, vai revolucionar todo o sistema”, afirmou.

Questionado pelo Observador se estava habituado a avaliar bens tecnológicos, admitiu que “desta envergadura não”, mas que tem um currículo profissional com centenas de relatórios de avaliação a bens que entravam para as empresas como capital. E demarcou-se das restantes contas da empresa (em 2016 os prejuízos são superiores a 21 mil euros), dizendo que o único serviço que prestou à Yupido foi a avaliação do relatório.

O “Senador da Fiscalidade”

Os aumentos de capital de uma empresa devem ser objeto de um relatório elaborado por um ROC, designado por deliberação dos sócios. Nos dois anos seguintes, este ROC não pode exercer quaisquer cargos ou funções profissionais na sociedade que, neste caso, é a Yupido.

António José Alves da Silva foi reconhecido como “Senador da Fiscalidade” pelo Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal e pela Revista de Finanças Públicas e Direito Fiscal, numa sessão onde foi orador o então ministro da Saúde Paulo Macedo. E também foi presidente da Sociedade Portuguesa de Contabilidade e do Conselho Técnico da Câmara dos Técnicos de Contas.

Imagem retirada do site da sociedade de advogados onde Alves da Silva é consultor

A 20 de julho de 2015, Cláudia Sofia Pereira Alves, Torcato André Jorge Claridade da Silva, Filipe Antunes Besugo e os advogados da Pares Advogados Tiago André Rodrigues Gama e Sofia Cristina Asseiceiro Marques Ferreira constituíram a Yupido S.A, uma empresa de consultoria que é uma espécie de faz tudo da era digital, com um capital inicial de 243 milhões de euros. A sede da empresa é na Rua Tomás da Fonseca, Torre G.1, 1º andar, em São Domingos de Benfica, mas não há lá ninguém a trabalhar.

O Observador apurou que algumas das reuniões de trabalho que os fundadores da Yupido tinham com pessoas externas à empresa aconteciam num apartamento na zona de Telheiras. Esta quinta-feira, bateu à porta do escritório e, apesar de ter ouvido ruído e de alguém ter aberto o “olho mágico”, que permite ver quem está do lado de lá da porta, ninguém respondeu. Os jornalistas do Observador confrontaram os vizinhos com as fotografias de Torcato Jorge e Filipe Besugo, que confirmaram a identidade dos jovens.

De acordo com o que foi avançado pelo Expresso, Francisco Mendes, porta-voz da empresa, diz que “o capital tem por base uma operação global”, que a empresa trabalha “em tecnologias de informação” e que “está a preparar plataformas que visam servir pessoas e empresas” e que os primeiros serviços seriam “lançados para o ano”. A mesma publicação avança que a Polícia Judiciária já está a “analisar” a empresa.

O relatório e contas da Yupido em 2016 aponta para prejuízos de 21.570 euros e depósitos à ordem em bancos no valor de 243 milhões — o valor do capital social inicial da empresa. Não há registo de pagamentos a funcionários ou a sócios. Não há vendas. Não há, até à data, registo de que a Yupido tenha colaboradores.

Lê-se no relatório que foi emitida uma certificação legal “sem reservas” das contas da empresa, mas esse documento — que comprova a veracidade desta informação –, não está anexado ao relatório. O Observador apurou que não foi emitido qualquer relatório pela parte do ROC, porque o auditor não “estava satisfeito com a informação que foi dada” para justificar o aumento de capital da empresa.