817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Os milionários da China: 2130 pessoas têm património tão valioso quanto a economia do Reino Unido

Este artigo tem mais de 5 anos

2130 empresários chineses detêm tanta riqueza como o produto interno bruto gerado no Reino Unido, revela o relatório Hurun, que todos os anos avalia e classifica as riquezas individuais na China.

O presidente da administração do grupo Evergrande, Xu Jiayin, é agora o homem mais rico da China
i

O presidente da administração do grupo Evergrande, Xu Jiayin, é agora o homem mais rico da China

Etienne Oliveau/Getty Images

O presidente da administração do grupo Evergrande, Xu Jiayin, é agora o homem mais rico da China

Etienne Oliveau/Getty Images

As fortunas de um grupo de 2.130 milionários chineses são tão valiosas como o produto interno bruto do Reino Unido, revela esta quinta-feira o relatório Hurun. No topo da lista das pessoas mais ricas da China está o presidente da administração do Grupo Evergrande, Xu Jiayin, com uma fortuna avaliada em 43 mil milhões de dólares (cerca de 36 mil milhões de euros). A instituição Hurun admite, contudo, que terão “inevitavelmente escapado” à lista alguns nomes como o de Sun Yafang, líder da Huawei.

Pelo menos mais 74 chineses entraram na lista com fortunas avaliadas acima dos 300 milhões de dólares, a somar aos 2.056 listados do ano anterior. Conjuntamente, estes 2.130 indivíduos somam 2,6 biliões de dólares (2,1 biliões de euros), ou o equivalente ao PIB do Reino Unido, a quinta maior economia do mundo. Na lista atual, houve algumas mexidas de posições.

Xu Jiayin, o presidente da administração do grupo Evergrande, sobe para a primeira posição com uma fortuna de 43 mil milhões de dólares. O primeiro lugar do ano passado caiu para a quinta posição em 2017: Wang Jianlin, do Wanda Group, perdeu 28% da fortuna devido à queda do preço das ações da empresa.

Ainda assim, a Lista dos Ricos da Hurun cresceu mais depressa do que em qualquer outro ano desde 2007 [início da recessão], talvez apenas com exceção de 2015″, disse ao South China Morning Post o principal investigador e presidente do instituto Hurun, Rupert Hoogewerf.

O Grupo Evergrande é o maior grupo da China no setor imobiliário e, desde o início de 2017, as suas ações, na bolsa de Hong Kong, já subiram 465%. Já Pony Ma Huateng, do Tencent, subiu para a segunda posição com uma fortuna de 37 mil milhões de dólares, deixando para o terceiro lugar o presidente executivo do Alibba, Jack Ma, com “apenas” 30 mil milhões de dólares.

A primeira mulher da lista surge só no quarto lugar: Yang Huiyan, vice-presidente e a maior acionista da Country Garden, triplicou a sua riqueza para 24 mil milhões de dólares.

Os empresários chineses fizeram um grande percurso. Em 1999, quando fiz a primeira lista, consegui reunir cerca de 50 pessoas. Hoje, esse número de pessoas é quase todo do grupo Alibaba”, adiantou Hoogewerf.

O instituto Hurun diz que os cálculos foram feitos com base nas em demonstrações financeiras publicadas e noutros documentos divulgados até 15 de agosto, mas não descarta a possibilidade de “inevitavelmente escaparem” alguns indivíduos, tais como Zhang Ruimin (Haier9, Peter Ma Mingzhi (PingAn) e Sun Yafang (Huawei). “Para cada um que encontrámos, estimamos que existam dois que nos escaparam”, o que leva a crer que a fortuna acumulada de todos os grandes empresários chineses supere a de muitas economias além da do Reino Unido.

O relatório completo pode ser consultado aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos