A secretária executiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Maria do Carmo Silveira, defendeu esta segunda-feira, em Maputo, que a mobilidade entre os Estados membros “continua uma preocupação”.

Eu penso que [a mobilidade] é um aspeto que os cidadãos dos nossos Estados esperam de nós. Somos uma comunidade, no entanto, as pessoas estão impossibilitadas de movimentar-se de um lugar para o outro”, disse Maria do Carmo Silveira.

Aquela responsável falava momentos após um encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicano, Oldemiro Baloi. Entre as dificuldades para facilitar a circulação entre os países da CPLP, Maria do Carmo Silveira apontou os compromissos regionais dos membros da organização e questões políticas.

De acordo com Maria do Carmo Silveira, a estratégia da CPLP para ultrapassar esta preocupação consiste numa “abordagem faseada”. “Estamos a trabalhar nesta perspetiva e brevemente teremos um encontro em Portugal para analisar como é que o próximo passo pode ser dado”, frisou.

Maria do Carmo Silveira disse ainda que o setor empresarial, mais afetado pelos entraves aduaneiros na circulação entre os países da comunidade, merecerá maior atenção nesta estratégia, como forma de dinamizar as relações económicas entre os estados.

Naturalmente que há uma vontade política entre os Estados em podermos evoluir para resolver esta questão, porém sabemos que vários Estados existem algumas dificuldades”, acrescentou.

Entre os temas abordados no encontro com o ministro moçambicano, Maria do Carmo Silveira disse que a questão da segurança entre os países membros mereceu atenção, tendo sido destacada a situação em Mocímboa da Praia, norte de Moçambique, onde um grupo armado atacou postos policiais.

Tivemos a informação que o Governo está a seguir atentamente a situação e a adotar as medidas necessárias”, concluiu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR