Um homem de 27 anos, que as autoridades descrevem como Konrad K., matou esta sexta-feira uma mulher na cada dos 50 anos e feriu pelo menos outras sete num ataque com um face no centro comercial Vivo, em Stalowa Wola, na Polónia. O suspeito já foi detido pelas autoridades policiais (terá sido imobilizado em primeira instância por outras pessoas que estavam no local nessa altura) mas ainda não são conhecidas as motivações para o ato.

De acordo com a agência noticiosa PAP, citada pelo Euronews, Andrzej Wierszyna, porta-voz da polícia de Stalowa Wola, confirmou o ataque “com um objeto afiado”. Anna Klee, uma agente no local, confirmou tratar-se de uma faca: “Foi um ataque à traição, com o esfaqueamento de várias pessoas pelas costas”. A Associated Press confirmou também junto das autoridades que o autor do ataque foi um local que reside em Stalowa Wola sem cadastro.

Os sete feridos, a maioria em estado grave, foram levados para os hospitais de Stalowa Wola, Tarnobrzeg e Sandomierz. A informação inicial falava em oito pessoas feridas, mas uma era a mulher que acabou por falecer. Citado pela CBS, Krzystof Pobuta, chefe da polícia local, referiu que o autor do ataque estava alterado e não conseguiu explicar os motivos para o ataque. “Não existe nada de terrorismo nem de contexto ideológico para o ataque, tem a ver com condição psicológica”, resumiu. Em relação aos feridos, entre os 18 e os 50 anos, na última atualização feita existem duas pessoas em estado crítico.

Uma testemunha citada pela RFM24 descreve um “homem louco”. “Vi a primeira vítima ser atacada a dois metros de onde estava. Olhei para o rapaz e parecia que estava a ter algum tipo de ataque epilético. Ouvi a rapariga que estava ao lado dele gritar. Quis correr para ajudar, porque estava a escorrer sangue do pescoço, mas disseram-nos para fugir e começámos a correr”, contou à publicação local.