Web Summit

O jantar exclusivo da Web Summit foi no Panteão Nacional

5.824

Um jantar à luz das velas, ao lado dos túmulos de Humberto Delgado e Amália, e só para um grupo restrito de empresários e investidores? Não é montagem, aconteceu mesmo no Panteão.

É um evento privado onde só entram figuras de topo, sobretudo investidores e empresários. A Founders Summit, que marca o fim da conferência tecnológica, consiste num jantar para os principais fundadores de empresas que estiveram na Web Summit e que reúne outros convidados de topo. Este ano, o evento realizou-se no Panteão Nacional, com os convidados a cearem rodeados dos túmulos de figuras como Humberto Delgado, Amália Rodrigues e Sophia de Mello Breyner.

Os rumores começaram a circular nas redes sociais, com uma fotografia que mostra várias mesas iluminadas com velas no corpo central do monumento, divulgada por várias figuras como o empresário de comunicação Luís Paixão Martins. O Observador conseguiu entretanto apurar que o jantar decorreu de facto no Panteão Nacional esta sexta-feira e que se tratava da Founders Summit.

O acontecimento já provocou reações de várias figuras como o embaixador Seixas da Costa, que perguntou: “Ajudem-me: acham mesmo normal que o jantar final do Web Summit tenha sido entre os túmulos do Panteão Nacional?”. Também José Eduardo Martins, do PSD, comentou o acontecimento, dizendo que se tratava “evidentemente de uma montagem”. Também Sérgio Sousa Pinto, do PS, recorreu ao humor, escrevendo na sua conta de Facebook que “no próximo ano é nos Jerónimos. A urna do Gama serve de bar. A de Camões de bengaleiro.”

Ao que o Observador apurou, o primeiro-ministro António Costa não esteve no evento, e o Governo não se fez representar. Também o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, não esteve presente, segundo confirmou fonte da CML.

De acordo com o Público, na quinta-feira ocorreram outros dois eventos exclusivos relacionados com a Web Summit, onde estiveram presentes membros do Governo: um cocktail oferecido pelo Executivo no Palácio das Necessidades e um jantar também para os founders no Palácio Nacional da Ajuda.

Lei permite aluguer de Panteão

O aluguer de monumentos geridos pela Direção-Geral do Património Cultural é permitido e regulado pelo despacho 8356/2014, promulgado pelo então secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, do Governo anterior.

O Panteão Nacional faz parte desse conjunto de monumentos, sendo que o aluguer do espaço para um jantar no Corpo Central do monumento tem o custo de três mil euros mais IVA, de acordo com o que está no Regulamento de Utilização dos Espaços. A mesma lei diz que podem ser rejeitados “os pedidos que colidam com a dignidade dos Monumentos”.

A própria página do Panteão Nacional enumera os eventos que se podem realizar ali: “banquetes, receções, conferências, recitais de música ou poesia, lançamento de livros, atos solenes, atividades de índole cultural, mostras, exposições” acrescentando que tudo está dependente de “consulta prévia e condições a acordar”.

A página da Direção-Geral do Património Cultural tem a descrição do monumento com todas as característica usadas para promover um imóvel num site imobiliário. Descreve os espaços — adro exterior, corpo central e terraço — com a área em metros quadrados, os materiais, pontos de luz e números de lugares sentados.

O Observador contactou a Web Summit e o ministério da Cultura para perceber em que moldes se realizou o evento, perguntando se o Panteão terá sido alugado para o efeito. O ministério da Cultura escusou-se a responder a questões sobre as circunstâncias em que foi dada a autorização para a cedência do espaç e como foi tomada a decisão, remetendo para o comunicado enviado às redações pelo próprio ministério.

Até ao momento, a Web Summit também não respondeu a questões sobre o evento.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)