É a última oportunidade este ano para ver uma Lua que parece 7% maior do que o normal a 16% mais luminosa, segundo a NASA. O fenómeno chama-se Super Lua e ocorre, como explica o Observatório Astronómico de Lisboa, “quando a Lua se encontra simultaneamente em fase de Lua Cheia e a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu [ponto mais próximo que a Lua atinge do planeta Terra] da sua órbita”.

A melhor altura para ver a Super Lua é quando ela nasce — o que aconteceu este domingo em Portugal por volta das 17h35 em Lisboa, 17h27 no Porto e 18h29 no Funchal, por exemplo –, já que nessa altura está mais próxima do horizonte. Nesse momento, como explica o Observatório, a sensação de proximidade está no máximo devido a uma ilusão de ótica.

No entanto, caso tenha perdido o momento, a 4 de dezembro (segunda-feira) a lua continuará a parecer maior do que o costume e nascerá por volta das 18h30. E, na pior das hipóteses, pode aguardar o avistamento da Super Lua para 2018, já que o fenómeno se repetirá logo no primeiro dia do ano. E no dia 31 de janeiro haverá outra.

A NASA recorda que o acontecimento, apesar de invulgar, “não causa inundações, terramotos, fogos, erupções vulcânicas, condições meteorológicas extremas ou tsunamis”, encorajando os curiosos a estudarem melhor a Lua.

A maior Super Lua desde 1948 ocorreu o ano passado. A BBC relembra que a Lua só voltará a estar assim tão próxima da Terra em 2034.