Rádio Observador

Futebol

Rui Vitória diz que exigência do Benfica não muda após adeus à Europa

Rui Vitória garantiu esta quarta-feira que a exigência do Benfica não mudou depois do falhanço na Liga dos Campeões. O treinador dos encarnados elogiou a equipa do Rio Ave.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O treinador do Benfica elogiou esta terça-feira o Rio Ave e recusou a ideia de que a conquista da Taça de Portugal de futebol tenha agora uma importância maior para os ‘encarnados’ após a eliminação das competições europeias.

Na conferência de imprensa de antevisão do jogo dos oitavos de final da Taça de Portugal frente aos vilacondenses, Rui Vitória assumiu a sua expetativa de um “jogo interessante e bem disputado” e o contexto especial de ser um “jogo de decisão”, mas frisou que o objetivo é o mesmo dos outros encontros: ganhar.

“No ano passado passámos a fase de grupos e vencemos a Taça de Portugal. A responsabilidade não sobe nem desce. Estamos cá para passar a próxima eliminatória, não mexe em nada com a nossa exigência. Se estivéssemos ainda nas competições europeias diria a mesma coisa: cá estaríamos para vencer”, afirmou.

As boas exibições da equipa comandada pelo treinador Miguel Cardoso não passaram despercebidas a Rui Vitória, que reconheceu as “caraterísticas bem vincadas e interessantes” do que diz ser uma “das boas equipas do campeonato” português.

“Sabemos que jogar este jogo é fundamental. A forma que temos de contrariar é impor a nossa forma de jogar e olhar muito para nós. Como vamos impor a nossa forma de jogar é a questão mais importante. O Rio Ave tem jogadores de qualidade e joga com a equipa relativamente subida, mas, para nós, é mais do mesmo: queremos vencer”, disse.

O peso de estar em causa uma possível eliminação de mais uma competição, depois do adeus à Liga dos Campeões, foi admitido por Rui Vitória, mas sem deixar de salientar que a particularidade do encontro altera mais a postura do adversário do que a do Benfica, que esta época até já mediram forças e não foram além de um empate (1-1) na quarta jornada da I Liga.

“Estes jogos têm impacto nos jogadores das outras equipas e é um contexto algo diferente, porque pode jogar-se prolongamento ou penáltis. Há variáveis que temos de equacionar e que não há no campeonato. Não varia muito em relação a nós, varia mais do lado do adversário. Alguém vai ter de ganhar ou perder e isso muda um pouco a cabeça dos jogadores”, explicou.

Com a aproximação do mês de janeiro intensificam-se os rumores de entradas e saídas no plantel do tetracampeão nacional, mas o técnico do clube da Luz evitou alongar-se em comentários, salientando que ainda é prematuro abordar o assunto.

“Na imprensa vale o que vale. Enquanto não sair da nossa boca pouco significado tem. Normalmente, o mês de janeiro termina mesmo só no dia 31 à meia-noite. Falar disto agora é muito precipitado. Tenho um lote de jogadores que deu para escolher 20 convocados. Alguns não vão a Vila do Conde, mas é a lei da vida”, finalizou.

O desafio entre o Rio Ave e o Benfica, a contar para os oitavos de final da Taça de Portugal, está marcado para esta quarta-feira, às 21:00, no Estádio do Rio Ave Futebol Clube, em Vila do Conde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)