A ópera “The Rape of Lucretia” (“A Violação de Lucrécia”), de Benjamin Britten, tem esta sexta-feira a primeira de duas récitas no Teatro Nacional de S. João (TNSJ), no Porto, sob a direção musical de João Paulo Santos, com encenação de Luís Miguel Cintra.

Em declarações à agência Lusa, Luís Miguel Cintra realçou o trabalho da equipa, que estreou esta encenação em Lisboa, no início de dezembro, em particular o maestro João Paulo Santos, com quem colaborou noutras produções de ópera.

O que o Britten faz [nesta ópera] é uma coisa que fazemos no teatro, que é a procura da desconstrução da própria fábula ou da história que se está a contar, para se fazer a análise crítica ou de reflexão sobre o que essa história permite ou à qual conduz”, disse Luís Miguel Cintra.

Com libreto de Ronald Duncan (1914-1982), a ópera segue de perto o poema de Shakespeare, “The rape of Lucrece” (1594), e a versão inglesa da peça “Le Viol de Lucrèce”, do francês André Obey (1892-1975) e parte da história ancestral de Lucretia.

É como se a ópera contasse que a violação de Lucrécia não foi uma violação, ou antes, quem se violou foi ela a si própria. Não há nenhum momento em que a música sugira ou o texto cantado se refira a uma violência ou que ela tenha sido forçada. Ela entrega-se. Ela começa por proibir-se entregar-se, mas o que nós assistimos na ópera é resistir, e ceder finalmente, e ter imenso prazer ao ceder, e é sobre essa reviravolta, que é considerada pela própria Lucretia como pecaminosa, como vergonhosa, que se desenrola o resto da história, e que se mata”, argumentou.

“Lucretia condena-se a si própria, quando o próprio marido a perdoa. Aliás, ele diz-lhe, ‘o homem tudo pode perdoar e tudo pode fazer renascer’. ‘Aquilo que tu viveste pode ser perdoado. Não há crime nisso, se é crime, uma parte do nosso ser ligar o amor a uma sensualidade, de uma determinada natureza’. No fundo está a dizer uma coisa moderníssima que é cada amor tem a sua própria liberdade e a sua própria consistência”, defendeu Cintra.

O encenador faz uma ponte para a política, afirmando que, “metaforicamente, em termos políticos, seria a mesma coisa, pois muitas vezes leva a conflitos são coisas que, aparentemente, são banalidades, quando o que está em jogo e gere os conflitos são as questões profundas que não estão à vista”.

No entender de Luís Miguel Cintra, “há, subjacente a toda a obra [de Britten], uma manifestação afirmativa do desejo de participar e de introduzir uma nova sensibilidade e uma nova maneira de viver, uma política e um apelo ao público nesse sentido, que é a razão de ser de toda a ópera”. O encenador salientou ainda o facto de a estreia desta ópera de Benjamin Britten (1913-1976), em julho de 1946, ter coincidido com a fundação da companhia English Opera Group, tendo “funcionado o espetáculo como uma manifesto”.

Há “duas personagens muito importantes na ópera, que são o coro masculino e o coro feminino”, diz Luís Miguel Cintra. “São duas pessoas e não um conjunto de vozes”, formando “um ponto de vista crítico e narrativo sobre a própria obra”, o que torna os dois coros “nos verdadeiros protagonistas deste espetáculo”, como afirma o encenador.

O papel do coro é desempenhado por Marco Alves dos Santos, a soprano Dora Rodrigues é o coro feminino, Lucretia é a meio-soprano Maria Luísa de Freitas, Collatinus é o tenor Luís Rodrigues, e o restante elenco é composto por Christian Luján (Junius), André Baleiro (Tarquinius), Ana Ferro (Bianca) e Joana Seara (Lucia). “The Rape of Lucretia” tem a primeira récita no TNSJ esta sexta-feira, às 20:00; a segunda, domingo, às 16:00.