É mais um dos temas que faz parte do novo disco de Sérgio Godinho, “Nação Valente”, álbum editado na próxima sexta-feira. A canção “Baralho de Cartas” conta com a música e a letra do artista, e é a segunda música apresentada pelo Observador, em primeira mão, de entre as cinco canções que vão ser apresentadas até ao lançamento do disco, na próxima sexta-feira:

Em entrevista ao Observador, conduzida por Bruno Vieira Amaral, o cantor fala do novo disco como um hino ao povo português para quem sabe que é um exemplo. “Sou de toda a gente e não sou de ninguém (..) o que eu sei é que quero continuar a viver aqui, e que esta nação nem sempre é uma nação valente, mas que temos de puxar por isso”, explicou o cantor.

Sérgio Godinho: “Esta nação nem sempre é valente mas temos de puxar por isso”

“Nação Valente” é o 18º disco e originais do cantor, mas desde 2011 que Sérgio Godinho não publicava um disco. Nestes sete anos que passaram, dedicou-se à escrita e publicou “Vida Dupla”, em outubro de 2014, “Coração mais que perfeito”, em fevereiro do ano passado, e, em maio, publicou “Eu, Tu, Ele, Nós, Vós, Eles!”. Colaborou também com o cantor, e amigo, Jorge Palma num disco e em vários concertos.

[a letra de “Baralho de Cartas”:]

Quando o teu corpo oscila no meu

Quando é já carne o que era só céu

Quando o amor se entrega durante

E o teu suor é meu num instante

Eu planto as palmas nos teus quadris

A morte é menos do que eu sempre quis

Eu pouso as mãos no teu abandono

Depois das horas há-de haver o sono

Baralho as cartas com que jogar

Encontro o amor em qualquer lugar

Em qualquer poiso pouso a cabeça

Seja assim tudo o que eu mais mereça

Subi às nuvens no teu prazer

Desci à terra ao amanhecer

Eu bem dizia que ia haver um dantes

Em que o amor pára em terras distantes

Quando as tuas ancas suspendem assim

Eu vou ainda de onde já vim

Por entre as ondas do calor de Verão

O meu coração e o teu peito na mão

Baralho as cartas, sei que escolho bem

Talvez por sorte ou por tacto também

Quando me engano regresso ao início

Estaco na berma do precipício