O Mercedes Classe A pode não ser o mais rentável da gama do construtor alemão, mas é o mais acessível e um dos mais importantes, pois não só lhe coube democratizar a marca, como contribuir decididamente para atrair novos clientes, que até ali não tinham acesso a veículos com a grelha adornada pela estrela prateada. De linhas atraentes, o Classe A permitiu à marca bater-se taco a taco com os construtores generalistas no segmento C, o mais importante no mercado europeu e o segundo que mais vende em Portugal.

É óbvio que toda esta conversa se refere à mais recente geração do modelo, a que foi apresentada em 2012, pois as primeiras, que surgiram em 1997 e depois em 2004 – mais altas e estreitas –, ficaram conhecidas por serem o Classe A que tinha pavor do alce. Ou melhor, do teste do alce, que obriga a guinadas súbitas na direcção para evitar um obstáculo imaginário no meio da estrada, simulação que se revelou fatal para a estabilidade do primeiro A, até que passou a estar equipado com ESP.

Mas com a actual geração do Classe A, aquele que ainda hoje está à venda, a conversa foi outra. O modelo, substancialmente mais baixo e largo, além de mais habitável, sempre agradou, o que permitiu à Mercedes finalmente bater-se com os principais rivais, respectivamente o BMW Série 1 e o Audi A3.

8 fotos

Mas depois de seis anos de mercado, a Mercedes concluiu que era altura de mudar de ares e substituir o modelo actual por outro, que a marca queria mais luxuoso, mais bem equipado e mais moderno, no que respeita à conectividade e sistemas de ajuda ao condutor. E é exactamente este o veículo que vai chegar em breve e sobre o qual temos muito para lhe dizer.

Como vai ser por fora?

Exteriormente, vai ser fácil distinguir o novo Classe A do actual e outra coisa não seria de esperar. A frente herda muito do que foi revelado pelo protótipo Classe A Sedan Concept, no Salão de Xangai, em Abril de 2017, com a tradicional grelha da casa, mas faróis mais esguios e angulados. O resto da carroçaria também evoluiu, mas sem grandes revoluções, mantendo as linhas gerais da geração anterior, só que mais moderna.

O novo Classe A recorre à mesma plataforma do antigo, a MFA2, que foi desenvolvida para a primeira geração a meias com a Aliança Renault-Nissan, que a utilizou no Infiniti Q30 e QX30. Desta vez, cada construtor vai avançar com projectos separados, pelo que a Mercedes fê-la evoluir no sentido de satisfazer as suas necessidades, enquanto a Infiniti se vai socorrer de plataformas da Aliança, mais em conta por serem produzidas em maior quantidade.

Por dentro é a grande revolução

É lá dentro que o novo Classe A revela a maioria dos seus truques. E, como é tão importante parecer moderno como sê-lo, o construtor alemão aposta tudo logo no tablier. O destaque vai para dois ecrãs, um na continuação do outro, com o primeiro a assegurar o painel de instrumentos digital, para o segundo ficar dedicado ao infoentretenimento, sistemas de som e navegação, além da interacção com os smartphones.

A dimensão dos ecrãs varia consoante a versão e o nível de equipamento, existindo dois tamanhos, com 7 e 10,25 polegadas, com o A a poder conjugar dois de 7″, um de 7 e outro de 10,25″ ou, nas versões mais luxuosas, dois com 10,25″ na diagonal.

28 fotos

Se os ecrãs impressionam, as saídas de ar da ventilação não lhe ficam atrás, não só pelo número (cinco), como pela forma, reforçada pelo acabamento cromado, para serem ainda mais evidentes. A iluminação interior, que no A ainda à venda é regulável em matéria de cor, oferecendo 12 tons, evoluiu para 64 cores. Sofisticação que é acompanhada pelos assentos, que passam a ser oferecidos aos clientes em três formatos distintos, entre o mais confortável e o mais desportivo. O mais rebuscado disponibiliza até 20 regulações distintas, além da ventilação interior e as massagens. O assento posterior não regula longitudinalmente, mas as costas podem rebater de forma tradicional (60%-40%) ou 40%-20%-40%, para maior versatilidade.

Lá atrás a mala também cresce, passando a disponibilizar 370 litros, ou seja, mais 29 do que no modelo actual. Para os utilizadores, a Mercedes garante pilares A menos volumosos, para limitar menos a visão do condutor, além de mais 9 mm de espaço ao nível dos ombros à frente e 22 mm atrás, com o volume ao nível dos cotovelos a aumentar igualmente 35 mm na dianteira e 36 na retaguarda, isto enquanto o espaço para a cabeça se vê incrementado em 7 mm para quem ocupa os lugares dianteiros e 8 mm os posteriores.

[jwplatform EfQYiV3f]

Motores para todos os gostos. E diesel também

Em termos mecânicos, o futuro Classe A tem mais do actual do que verdadeiramente novo, com a Mercedes a alinhar pelo princípio “em equipa que ganha não se mexe”. E se está a pensar que os turbodiesel desapareceram, está enganado, pois não faz sentido um fabricante deixar de oferecer o tipo de motor que muitos clientes continuam a preferir.

A versão mais barata do novo A a gasóleo vai continuar a apostar no motor 1.5 dCi da Renault, que deixa de surgir na versão menos possante, de 109 cv, para passar a oferecer 116 cv. Denominado A180d (aparentemente desaparece o A160d, com o mesmo motor, mas apenas 90 cv), será o único turbodiesel disponível no início de comercialização. Apesar do incremento de potência, o A180d deverá continuar a ser comercializado abaixo dos 30.000€ (agora está nos 29.450€).

As alternativas, durante o período de lançamento, serão todas a gasolina, com destaque para o A200, que troca o actual motor 1.6 TCe da Renault de 156 cv, pelo novo motor 1.3 de quatro cilindros com a mesma potência, desenvolvido a meias pela Aliança e Daimler. Com 1.330 cc (a Mercedes fala em 1.345 cc) esta unidade vai pertencer a uma família que vai disponibilizar versões com 115, 140 e 160 cv, todos eles com menores consumos e emissões, o que é conseguido à custa de injecção directa, elevada pressão de alimentação de gasolina a 250 bar e um tratamento de superfície das camisas e pistões que reduz a fricção e as perdas, herdado do Nissan GT-R.

Igualmente de início, os clientes mais exigentes, no que respeita à potência, podem optar pelo A250, que monta o 2.0 (1.994 cc) de 224 cv (na actual versão fornece 218 cv) e que deverá ser proposto abaixo dos 50 mil euros, não muito longe dos actuais 47.950€, isto enquanto não chega a versão AMG (actualmente o AMG 45 4Matic, com 381 cv, é transaccionado por 62.000€), que deverá passar a extrair de uma unidade com a mesma capacidade cerca de 400 cv, para continuar a assumir-se como o mais potente da classe.

[jwplatform OtrQY65Y]

E vai haver eléctrico e híbrido?

Numa fase em que já ninguém contesta que o futuro será eléctrico, pelo menos no que aos automóveis diz respeito, e a própria Mercedes já prometeu uma gama 100% eléctrica, que vai denominar EQ, não seria de esperar que o Classe A não privilegiasse qualquer tipo de electrificação.

Para já, não está previsto um A 100% eléctrico alimentado por acumulador, o que até se compreende pela dificuldade em criar espaço para uma bateria generosa – entre 40 e 60 kWh, para ser minimamente competitiva –, numa plataforma que não foi para isso concebida. Mas a Mercedes antevê soluções híbridas, muito provavelmente tendo como base o novo motor 1.3 a gasolina. A esta unidade os alemães podem acoplar um pequeno motor eléctrico alimentado por uma bateria com cerca de 3 kWh a 48V, como a que a Renault está a desenvolver para o futuro Clio, e criar um híbrido. Ou, em alternativa, montar um motor mais potente e uma bateria com pouco mais de 10 kWh da capacidade, para dar origem a um plug-in bastante mais versátil, com uma capacidade de percorrer 50 km em modo eléctrico.

[jwplatform fNjexdgm]

Quando chega a Portugal?

O futuro Classe A, que promete ser uma das sensações do Salão de Genebra, em Março, vai ser apresentado já no dia 2 de Fevereiro à imprensa mundial, num evento que decorrerá em Amesterdão. Trata-se de uma revelação estática, em que sobretudo se vai conhecer o exterior, uma vez que a marca optou por revelar há dias o interior, especialmente a solução dos dois ecrãs, no Consumer Electronics Show de Las Vegas.

A chegada ao nosso país do novo Classe A irá ocorrer no final de Abril ou, o mais tardar, nos primeiros dias de Maio, com as primeiras versões a estarem disponíveis a serem o A180d, A200 e A250. O híbrido não deverá ser introduzido antes de 2019.

Já há preços?

Ainda é cedo para conhecer em pormenor os preços pelo que serão propostas as novas versões do Classe A. Contudo, o posicionamento do construtor em todos mercados passa por propor o novo modelo sensivelmente pelo preço do antigo, apesar das diversas melhorias e dos incrementos de potência.

Em termos indicativos, pelo que conseguimos apurar, o Classe A 180 deverá ser o mais acessível, prevendo-se que venha a ser comercializado por valores abaixo de 30 mil euros, enquanto o mais caro, na fase de lançamento, será o A250 a gasolina, cujo preço deverá ficar aquém dos 50 mil euros.

Porém, há que ter em conta a maior sofisticação em matéria de equipamento que o novo A propõe, tanto o destinado ao entretenimento como à segurança e ajudas à condução. Isto torna óbvio que o preço irá disparar para os clientes que optem pelos níveis mais requintados, dos ecrãs de maiores dimensões aos bancos com massagens e ventilação, passando necessariamente pelos sistemas tipo Lane Assist e Cruise Control Adaptativo, que permitem uma condução mais relaxada, sem comprometer a segurança.