Rio Tejo

Poluição no Tejo. Fábrica de pasta obrigada a reduzir laboração para travar descargas

1.334

Celtejo em Vila Velha de Ródão, vai ser obrigada a reduzir a produção durante 10 dias para travar as descargas de efluentes no Tejo. Ainda não se sabe a causa da espuma no rio, mas a seca contribuiu.

PAULO CUNHA/LUSA

A Celtejo, fábrica de pasta e papel em Vila Velha de Ródão, foi notificada pelo Ministério do Ambiente para reduzir a sua produção durante os próximos dez dias, de forma a diminuir em 50% as descargas de efluentes no rio Tejo. A medida foi anunciada pelo ministro do Ambiente e faz de um parte de um conjunto de intervenções de emergência para responder aos elevados níveis de espuma detetados no maior rio português.

João Matos Fernandes sublinhou que esta medida, que poderá ser agravada até à suspensão temporária da atividade da fábrica, não significa uma imputação de responsabilidades à empresa que é controlada pelo grupo Altri. O Governo ainda não sabe qual foi a origem das descargas que provocaram um manto de espuma e águas castanha no Tejo, os resultados laboratoriais às amostras só serão obtidos no dia 5 de fevereiro.

Ou seja, ainda não existem provas de que o nível de contaminação no rio resulte de descargas feitas em incumprimento das normas ambientais, ainda que tenham tido origem nas empresas industriais (foram referidas três) que estão instaladas acima do local do rio onde foi detetado o problema. O ministro deixou o alerta:

Estamos a afirmar que o Tejo mudou. Tem menos água, menos capacidade de dissolver a matéria orgânica e não suporta a carga orgânica que hoje está a receber”.

A partir de Abrantes onde participou numa reunião de emergência para discutir o problema, o ministro anunciou já várias ações para atenuar o impacto visual e reduzir a quantidade de matéria orgânica nas albufeiras no rio Tejo.

Para além da diminuição dos efluentes industriais, a espuma será retirada da água com recurso a seis camiões a partir de sábado e a curto prazo vão avançar trabalhos de limpeza de sedimentos depositados nas barragens de Belver e Fratel.

Uma das razões apontadas para a espuma que tomou conta da superfície do Tejo nos últimos dias resulta do acumular de sedimentos orgânicos com origem nas descargas feitas pelas referidas indústrias nas barragens de Belver e Fratel que, em condições de chuva normal, teriam sido diluídos pelo curso normal do rio.

Entretanto, explicou o ministro do Ambiente, a elétrica EDP “comprometeu-se a reduzir a sua atividade de turbinamento ao caudal mínimo, conservando a água nas albufeiras enquanto se procede à limpeza dos fundos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)