Rádio Observador

Arquitetura

Acervo de Siza Vieira começa a ficar disponível online a partir de quinta-feira

1.044

O acervo do arquiteto começará a estar disponível nas páginas da Internet da Fundação de Serralves, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Centro Canadiano de Arquitetura a partir de 1 de fevereiro.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Em comunicado, as fundações de Serralves, no Porto, e Calouste Gulbenkian, em Lisboa, anunciam o lançamento da primeira fase de um projeto colaborativo entre os três organismos, que visa “tornar acessível o arquivo” que Siza Vieira doou, em 2014, às três instituições.

“A partir de fevereiro de 2018 as descrições arquivísticas destes materiais começarão a ser disponibilizadas online nos sites do CCA, Serralves e Gulbenkian, incluindo os primeiros projetos dos anos 1950 e 1960, bem como projetos para o IBA de Berlim e projetos de renovação urbana para a cidade de Haia datados dos anos 1980”, escrevem no documento.

Entre os projetos a disponibilizar já em fevereiro encontra-se o edifício Bonjour Tristesse (Berlim, 1982–1983), a Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, Matosinhos, 1963), as Piscinas de Leça da Palmeira (Matosinhos, 1966), o edifício do Banco Borges & Irmão (Vila do Conde, 1986), a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (Porto, 1992), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto, 1999) e, entre outros, a Casa António Carlos Siza (Santo Tirso, 1976/78).

“Ao longo dos próximos anos outros materiais serão disponibilizados para pesquisa”, esclarecem as fundações, lembrando que “o arquivo completo, partilhado pelas três instituições, representa o interesse que, ao longo de toda a sua vida, Siza dedicou ao estudo da habitação unifamiliar e coletiva e ao planeamento urbano, bem como à conceção de projetos para centros culturais, museus e universidades em inúmeros países da Europa, Ásia e América”.

Atualmente, especifica, o arquivo “inclui textos, correspondência, fotografias e slides, cerca de 60.000 desenhos, 500 maquetes, 282 cadernos de esquissos e o arquivo de materiais digitais”.

Em julho de 2014, o arquiteto Siza Vieira anunciou que doava o seu acervo, tendo optado por doar uma parte a duas instituições portuguesas, Fundação Gulbenkian e Fundação de Serralves, e outra ao CCA.

“É meu desejo que o trabalho de tantos anos seja de algum modo útil, como contribuição para o estudo e debate sobre a arquitetura, particularmente em Portugal, numa perspetiva oposta ao isolamento, (como já hoje sucede e é imprescindível)”, escreveu Siza num comunicado enviado à data à agência Lusa.

De acordo com o arquiteto, a opção passou por doar parte “a duas instituições portuguesas, já com experiência, qualidade e capacidade para desenvolver ou alargar os respetivos arquivos (Fundação Gulbenkian e Fundação de Serralves), numa perspetiva de abertura à consulta, divulgação e participação num debate que já não é simplesmente nacional, nem centrado no individual”.

A outra parte foi doada ao CCA, em Montreal, “instituição de experiência e prestígio ímpares e com intensa e contínua atividade”, que é “reconhecido pela sua experiência na preservação e apresentação de arquivos internacionais”, referiu.

“A documentação doada à Fundação de Serralves e à Fundação Gulbenkian foca-se nos projetos de Álvaro Siza em Portugal e data de 1958 até 2006. A documentação entregue ao CCA inclui projetos com repercussão internacional datados de 1958 até ao presente” e que “todos os projetos de 2006 em diante serão depositados no CCA”, acrescenta o comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)