Sexo

Mais de 4,7 milhões de preservativos distribuídos em 2017

Mais de 4,7 milhões de preservativos foram distribuídos pela Direção-Geral de Saúde em 2017. O Dia Internacional do Preservativo assinala-se esta terça-feira.

ANTONIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 4,7 milhões de preservativos foram distribuídos pelas autoridades de saúde em 2017, um número substancialmente inferior ao registado há uma década, de acordo com dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A propósito do Dia Internacional do Preservativo, que se assinala na terça-feira, a DGS revelou que, em 2017, foram distribuídos 4.751.387 preservativos masculinos e 110.400 femininos. Estes valores representam uma subida em relação aos preservativos masculinos distribuídos no ano anterior (4.743.049), mas ficam muito longe dos distribuídos em 2008: 7.406.392.

Em 2017 também se registou uma diminuição de preservativos femininos distribuídos: 110.400 contra os 194.095 distribuídos em 2016.

Este ano, para assinalar o Dia Internacional do Preservativo, a DGS, o Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA e o Programa Nacional para as Hepatites Virais associam-se a algumas iniciativas que visam a sensibilização da população para a utilização do preservativo enquanto meio preventivo de infeções sexualmente transmissíveis, nomeadamente da infeção por VIH e da Hepatite B.

Uma das iniciativas é a tradução para inglês e mandarim dos conteúdos do folheto sobre prevenção, agora também em suporte digital. A ideia é abranger populações-chave que, por não dominarem o idioma, não estavam contempladas no processo de divulgação/informação de medidas preventivas da infeção por VIH, segundo a DGS.

As autoridades de saúde recomendam a utilização do preservativo enquanto meio preventivo de infeções sexualmente transmissíveis, nomeadamente da infeção por VIH e da Hepatite B.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Uma lei perigosa

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
984

Os suicídios de adultos que recorreram a tratamentos com hormonas do sexo oposto, ou se submeteram a cirurgias de mudanças de sexo, é 20 vezes superior ao normal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)