Rádio Observador

Congresso do PSD

Marques Mendes diz que Elina Fraga é “uma populista” e que nomeá-la para vice do PSD “é um erro”

278

O ex-presidente do PSD critica Rio por escolher Elina Fraga para sua vice-presidente: "é uma populista". Marques Mendes elogia Luís Montenegro e diz que "vai ser líder do PSD, só não sabe é quando".

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Luís Marques Mendes criticou Rui Rio por escolher a ex-bastonária da Ordem dos Advogados, Elina Fraga, para sua vice-presidente, acusando-a de ser “uma populista”.

“Eu acho que é imprudente, porque é uma cedência ao populismo”, disse o ex-presidente do PSD, na sua rubrica de comentário na SIC. Sobre os nomes votados para integrar os órgãos nacionais do partido, Luís Marques Mendes referiu que “aquilo que é bom não é novo e aqui que é novo não é bom”.

A título de exemplo, referiu a entrada de David Justino, Nuno Morais Sarmento e Carlos Almeida como “boas aquisições”. Entre os nomes que diz serem “novos” mas menos positivos, referiu apenas o de Elina Fraga.

“Nos próximos dias, em vez de se falar do discurso dele e desta mudança de ciclo, fala-se desta escolha que ele fez para vice-presidente”, disse Luís Marques Mendes.

Apesar destas críticas, o ex-presidente do PSD elogiou os discursos de Rui Rio durante o 37º Congresso do PSD, referindo que este “correu globalmente bem para o partido e para Rui Rio em particular”.

“Com o discurso de hoje [domingo], e com tudo o que aconteceu no congresso, Rui Rio deu o sinal de uma mudança de ciclo no PSD”, explicou, referindo que essa mudança é “profunda”. “Porque não muda apenas o líder, muda o estilo, muda o posicionamento do partido, muda o discurso e a forma de fazer oposição.”

Sobre o discurso de Rui Rio, disse ser “muito menos de passado e muito mais de futuro” e “não de líder partidário nacional mas sim de candidato a primeiro-ministro”.

Luís Marques Mendes refere ainda que Rui Rio “coloca o partido mais ao centro” é “mais inteligente” do que a abordagem de Pedro Passos Coelho, que considera ser de “direita”.

“Deixar o centro sozinho para o Partido Socialista e António Costa é um convite a que o PS ganhe as eleições, até com maioria absoluta”, disse.

[“Esta entrada atribulada”. “Vocês ainda me excitam”. “O coração bate mais depressa”. “Não vamos comer robalos”. “Vamos acabar com esta porcaria toda”. Veja as 15 cenas mais caricatas congresso do PSD neste vídeo de 110 segundos]

“Luís Montenegro vai ser líder do PSD, só não sabe é quando”

Sobre Luís Montenegro, que lançou várias críticas a Rui Rio no sábado, Luís Marques Mendes disse que o ex-líder da bancada parlamentar do PSD fez um discurso “duríssimo” e que foi “talvez o mais importante da sua carreira política”.

“A intervenção dele é corajosa, foi duríssimo aquilo que ele disse, mas foi preciso coragem para dizer cara a cara. Mas foi leal, porque foi cara a cara”, disse.

Luís Marques Mendes sublinhou ainda que, com o discurso que fez no sábado, Luís Montenegro “emancipou-se de Passos Coelho” e saltou para a “pole position” numa futura corrida à presidência do PSD — deixando implícito que Rui Rio pode ser um líder a prazo.

“Falava-se num grande número — três, quatro cinco — de personagens que estavam aí para depois de amanhã se candidatarem. Ele antecipou-se a todos. Está na pole position”, disse Luís Marques Mendes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)