Rádio Observador

Óscares

Audiências dos Óscares de 2018 foram as piores de sempre

150

Apenas 26,5 milhões de pessoas nos EUA assistiram à 90ª cerimónia de entrega dos Óscares. A culpa, dizem, pode ser atribuída às plataformas de "streaming" e a uma politização do espectáculo.

AFP/Getty Images

A 90ª cerimónia dos Óscares foi a menos vista da história dos prémios, conseguindo apenas 26,5 milhões de telespectadores nos Estados Unidos e marcando também o quarto ano consecutivo de declínio, noticia o Los Angeles Times.

De acordo com dados da Nielsen, a queda relativamente aos telespectadores da 89ª edição foi de quase 20%, o que deixa a cerimónia deste ano bastante abaixo da anterior menos vista de sempre: em 2008, apenas 32 milhões de pessoas viram os Óscares na televisão.

O menor número de telespectadores na última edição dos prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas segue uma tendência vista em outros programas ou espetáculos que, por norma, garantem um grande número de ratings, mas cujas últimas edições viram um declínio de espectadores na TV, tais como os Grammys, os Globos de Ouro e a Super Bowl.

Estas perdas de telespectadores estão a ser atribuídas maioritariamente à emergência e popularização das plataformas de “streaming”. Além disso, escreve o Los Angeles Times, os mais jovens escolhem cada vez mais ver apenas os melhores momentos de grandes eventos televisivos através das redes sociais ao invés de os ver em directo e por inteiro.

Levanta-se ainda a possibilidade de a natureza política dos Óscares deste ano, marcado pelos movimentos “#MeToo” e “Time’s Up”, ter afastado alguns telespectadores. Preston Beckham, consultor de media, explica que “uma parte significativa do país”, se sentir que Hollywood vai usar a cerimónia para transmitir “a sua agenda política”, escolhe não passar “quatro horas a ser leccionado”.

Outro dos pontos em questão no que diz respeito à diminuição de público televisivo prende-se com o facto de a Academia se ter afastado de seleccionar “blockbusters” para os prémios e de ter ampliado o número de nomeados de 5 para um máximo de 10, o que pode repelir público que não está familiarizado com filmes que não sejam grandes êxitos de bilheteira.

O vencedor do prémio de Melhor Filme deste ano, “The Shape of Water”, ainda só conseguiu arrecadar 57.4 milhões de dólares nos Estados Unidos e no Canadá, um valor que está bem, bem longe de sucessos de bilheteira como Black Panther, que arrecada 897 milhões de dólares a nível mundial e se aproxima dos 500 milhões a nível doméstico. Ainda assim, o filme de Guillermo del Toro já ganhou mais do que os últimos quatro vencedores.

A cerimónia de entrega dos Óscares mais vista, a de 1998, foi também aquela em que o vencedor do prémio de Melhor Filme foi um dos grandes “campeões de bilheteira”: Titanic, de James Cameron. Então, 55.2 milhões de pessoas assistiram ao espetáculo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)