Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Williams Advanced Engineering é o braço tecnológico da empresa que faz correr os Williams de Fórmula 1. A mesma que desenvolveu igualmente a base e o sistema de motores eléctricos e baterias para os Fórmula E. Agora, coloca todos os seus conhecimentos ao serviços dos veículos eléctricos, não para competição, mas sim para circular na estrada.

Denominada FW-EVX, a inovadora plataforma para carros movidos a electricidade foi apresentada no Low Carbon Vehicle Show, em Londres, e integra uma série de soluções avançadas no que respeita à integração de baterias na plataforma, capacidade de absorção de impactos e refrigeração das baterias, garantindo por outro lado um peso reduzido e dimensões compactas.

A FW-EVX – em nome de Frank Williams, fundador da marca –, oferece ainda a vantagem de se poder adaptar a vários tipos de veículos, podendo variar na distância entre eixos e em largura, o que lhe permite dar origem a veículos do segmento C (tipo Golf) ou D (como Série 3).

De acordo com Paul McNamara, responsável técnico da Williams Advanced Engineering, a nova base para veículos eléctricos produzidos em série, produzida em alumínio e carbono, garante ainda vantagens em matéria de custos e, além da redução de peso, contribui também para um incremento da autonomia e rapidez na aceleração, para a mesma capacidade de bateria e potência do motor. McNamara realça ainda que a Williams recorre a materiais 2D para originar estruturas 3D, o que simplifica a fabricação e a logística, tornando o processo mais versátil.

Não será provável vermos um dia esta plataforma ao serviço de modelos populares e baratos, como veículos utilitários, ou SUV do segmento B ou C, mas a FW-EVX pode ser uma excelente solução para um fabricante lançar um modelo eléctrico de baixa produção, como a Aston Martin ou a Morgan, ou até mesmo um construtor generalista que queira ousar produzir, por exemplo, um superdesportivo para um nicho específico do mercado, sem ter de investir milhões numa base e num processo produtivo de viabilidade financeira duvidosa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR