Cinema

“Lady Bird”: a adolescente inquieta e a mãe preocupada

175

A estreia da actriz Greta Gerwig a solo na realização é uma comédia adolescente bem escrita e interpretada, embora não traga nada de muito novo ao género. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Se um visitante de Marte chegasse ao nosso planeta e se sentasse num cinema onde estivesse em exibição “Lady Bird”, a primeira realização a solo de Greta Gerwig, actriz, argumentista e coqueluche da cena “indie” americana (em 2008, já tinha rodado “Nights and Weekends” com Joe Swanberg), diria que ela tinha inventado a comédia da inquietação e insatisfação adolescente. Mas não só Gerwig não traz nada de muito novo a um género sobejamente tratado pelo cinema americano (e recordemos apenas as contribuições fundamentais de John Hughes para o mesmo na década de 80, de “O Clube” a “O Rei dos Gazeteiros”), como também “Lady Bird” é o primo “indie” daquelas comédias juvenis afáveis e “feel good” que Hollywood costumava fazer – e por vezes bem — com regularidade, antes de se deixar monopolizar pelos mastodônticos filmes de super-heróis.

[Veja o “trailer” de “Lady Bird”]

Quem tenha seguido o caminho de Greta Gerwig como argumentista, em especial nos filmes do seu namorado Noah Baumbach (como “Mistress America — Quase Irmãs” ou “Frances Ha”); e visto como ela conseguiu, como actriz, criar uma “personagem” feminina distinta, que ficou plasmada na Frances Ha da fita homónima, uma mulher de sensibilidade “alternativa” e modo de ser efervescente , imatura e aventurosa, irritante e atraente, espontânea e “screwball”, vai encontrá-la, em boa parte e por procuração, na jovem heroína de “Lady Bird”, interpretada por Saoirse Ronan. Tal como vai deparar com algumas particularidades autobiográficas, dado que o filme se passa no início deste século, na Sacramento natal de Gerwig (que tem frisado nas entrevistas não ter feito um auto-retrato mal disfarçado, embora haja ali “um núcleo de verdade”).

[Veja a entrevista com Greta Gerwig]

Lady Bird chama-se na realidade Christine McPherson, mas deu a si própria esta alcunha por achar que o seu nome é muito aborrecido. Vive com o pai (Tracy Letts), um bonzão em vias de ser despedido, a mãe, uma enfermeira que se esfalfa a trabalhar, neurótica, sempre preocupada e muito possessiva (Laurie Metcalf, também a mãe de Sheldon Cooper em “A Teoria do Big Bang”), e dois meios-irmãos. Nos seus inquietos, ansiosos, convencidos e exasperantes 17 anos, Lady Bird está convicta que não vive uma vida como deve ser e que Sacramento é uma chatice de uma cidade, e aspira ir para uma faculdade prestigiada, numa cidade grande e cosmopolita, como Nova Iorque, onde “haja cultura” e possa concretizar todos os seus (difusos) sonhos.

[Veja a entrevista com Saoirse Ronan]

Enquanto isso não sucede, Lady Bird exaspera a mãe, que não quer de maneira nenhuma que ela abra as asas e saia de Sacramento (o filme esteve para se chamar “Mães e Filhas”, de tal forma a relação entre as duas lhe é central ), entra no musical que vai ser posto em cena no colégio, prega partidas às freiras com a melhor amiga, procura insinuar-se junto de uma colega popular e rica mentindo sobre o seu estatuto social, e circula sentimentalmente entre um colega certinho e amável, que poderá ser “gay” (Lucas Hedges), e um outro (Timothée Chalamet, de “Chama-me Pelo Teu Nome”) com pose “blasé” e atitude de rebeldia encostada ao dinheiro dos papás. Para quem diz que não tem uma vida como deve ser, a de Lady Bird é bastante atarefada e cheia de variedade. Ela é que parece não dar por isso.

[Veja a entrevista com Laurie Metcalf]

Se o forte de Greta Gerwig não é a realização – “Lady Bird” é um caso de não-identidade estilística –, ela sabe bem como os adolescentes se comportam, falam, sonham, disparatam e se relacionam ou entram em fricção com o mundo e as pessoas em seu redor (especialmente com as famílias), e escreve diálogos e sequências cómicas com muita graça e estaleca (a do treinador de futebol que tem que ser encenador à última hora é um achado), mesmo que a espaços a fita seja avoada, borbulhante ou “cute” demais. E, tal como nos filmes de Woody Allen que Woody Allen só realiza mas não interpreta, o protagonista tende a representar como ele, também em “Lady Bird” a vivíssima Saoirse Ronan personifica a heroína como se estivesse a canalizar o espírito de Greta Gerwig.

[Veja uma sequência do filme]

O exagerado e deslumbrado entusiasmo em redor de “Lady Bird”, fruto da himalaica popularidade de que Gerwig goza actualmente, bem como da rarefacção radical de filmes com estas características no cinema americano, levou a que fosse coberto de nomeações e prémios os mais diversos nos EUA, que acabariam por desembocar em cinco nomeações aos Óscares. Apesar de toda a insistente e afirmativa conversa sobre “dar mais poder” às mulheres no cinema que se ouviu durante a cerimónia, “Lady Bird” saiu sem levar um só Óscar no saco. E tanto Greta Gerwig, como autora do argumento, e Ronan e Metcalfe, como Melhor Actriz e Actriz Secundária, respectivamente, podiam perfeitamente ter ganho. Mas não é nada que não fosse previsível e nos admire, porque já sabemos o que a casa em Hollywood gasta.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)