A Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) nomeou esta sexta-feira, formalmente, Carlos Tavares como presidente do conselho de administração (‘chairman’) e presidente executivo, confirmou à Lusa fonte oficial da Associação Mutualista Montepio Geral.

A nomeação aconteceu em assembleia-geral da CEMG, ao final da tarde, depois de Carlos Tavares já ter cessado o vínculo com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), onde era assessor da administração do banco público. Antes, Tavares foi presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, entidade de supervisão financeira para os mercados e produtos de investimento.

A entrada em funções de Carlos Tavares (que saiu do regulador dos mercados financeiros no final de 2016) acontecerá na próxima semana, ainda sem dia definido, sucedendo assim a Félix Morgado, que é presidente da CEMG desde 2015 e cujo mandato no banco mutualista foi marcado por divergências com Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, o único acionista da CEMG.

Além de Carlos Tavares, a assembleia-geral da CEMG nomeou para a comissão executiva Nuno Mota Pinto (vindo do Banco Mundial e inicialmente indicado para presidente do banco, mas que passou a administrador na sequência da polémica devido a uma dívida à banca tida até ao ano passado), Carlos Leiria Pinto, José Mateus, Pedro Alves, Helena Costa Pina e Pedro Ventaneira. Os nomes tiveram a luz verde do Banco de Portugal esta semana.

Já como administradores não executivos foram nomeados Amadeu Paiva, Rui Heitor, Luís Guimarães, Vítor Martins e Manuel Teixeira.

Tendo em conta a alteração feita o ano passado nos estatutos da CEMG, a assembleia-geral é constituída apenas pelos representantes dos acionistas.

Uma vez que a CEMG tem um acionista único, a Associação Mutualista Montepio Geral, foi a Tomás Correia, enquanto presidente da Mutualista, a quem coube proceder às nomeações formais.