O Mauro Gonçalves escrevia no ano passado que há anúncios de perfumes que mereciam um Óscar. E mereciam mesmo. Porque toda a criação de um perfume é uma obra-prima destinada a envolver-nos num estado de espírito, num sonho, numa forma de vida. É como se pudéssemos fazer tudo — saltar de uma janela e fugir numa mota como Keira Knightley a usar Coco Mademoiselle de Chanel ou encontrar a nossa casa no meio do deserto como a história do novo Nomade de Chloé ou até a nadar no meio de um rio banhado a flores cor de rosa como a atriz Dakota Johnson em Gucci Bloom.

“Eu queria uma fragrância floral branca rica, um perfume corajoso que transporta as mulheres para um vasto jardim cheio de flores e plantas, um bouquet de abundância. O jardim é tão bonito quanto as mulheres; colorido, selvagem, diverso”, disse Alessandro Michele, diretor criativo da casa Gucci quanto à inspiração do filme que dá vida ao perfume.

E esta relação mulher-perfume não é unilateral. Os perfumes procuram contar a história de uma mulher mas uma mulher também procura contar uma história quando escolhe um perfume para usar. Uma história em que um dia pode querer ter a força para saltar janelas e noutro a delicadeza de uma flor. É por isso que (regra geral) não temos só um perfume em casa. A forma como o usamos também está relacionada com o nosso estado de espírito e momento na vida.

E estas são as histórias de algumas das novidades para esta primavera e verão. Na fotogaleria pode ver todos os 16 perfumes que recomendamos para os próximos meses.

A liberdade de Chloé

“A ideia inicial foi sempre trabalhar a partir do conceito de viajar, de fugir, de estar em movimento. E o termo “nómada” é sobre movimento, mudança e descobertas: descobrir o mundo, os outros e, com isso, descobrirmo-nos a nós próprios”, explica Quentin Bisch, o perfumista do novo Nomade, que esteve dois anos a trabalhar nesta fragrância para a casa Chloé. O imaginário deste perfume é o de uma mulher viajante, de pele morena e que se funde com o vento. Uma mulher que está sempre em movimento, elegante mas também natural e misteriosa. Uma mulher do mundo mas que também é agarrada às suas raízes. É o perfume da liberdade, da natureza e das aventuras que a vida nos traz.

Para personificar esta nova mulher Chloé mais aventureira, a atriz Ariane Labed deu vida ao espírito livre de Nomade que procura ser uma interpretação moderna dos já clássicos aromas de Chloé mas com um toque de masculinidade. A história de Nomade? A nossa casa está em todo o lado, a nossa casa é aqui e agora. É um abre olhos para a vida, para nos conectarmos mais com os outros e para nos amarmos em cada momento da nossa vida.

A atriz Ariane Labed durante as filmagens do anúncio de Nomade em Rajasthan na Índia e inspirado nas paisagens do Egito, a terra natal de Gaby Aghio, co-criadora da casa Chloé.

A pop art de Prada

O hit dos anos 80 “I Want Candy” parece ser a grande estrela do novo Candy Sugar Pop para este verão mas define apenas o imaginário deste lado mais divertido e não tão sério da casa Prada, tão bem construído nos últimos anos pelas mãos da perfumista Daniela Andrier. A história desta nova fragrância é tão simples quanto o nome: um perfume que seja tão viciante quanto uma música pop e vistoso e colorido como o pop art. Andrier quis dar a este perfume a ironia sofisticada dos doces e do açúcar que, na verdade, são metáforas para caracterizar aquela sensação de se querer muito algo, como se o amor fosse uma dependência (que, na verdade, até é). Aqui a metáfora representa a satisfação que os doces nos dão mas, ao mesmo tempo, sabendo que são perigosamente irresistíveis.

É impossível não dar destaque ao frasco que é uma inspiração da própria casa Prada e da icónica mala Saffiano de três tons, aqui desenhados pela combinação das cores doces e pastel. Doce também são os ingredientes que gritam verão em todo o seu esplendor: pêssego, maçã, baunilha e citrina verde.

 O rio de sonho de Gucci

Alessandro Michele trouxe um novo sopro de modernidade, revolução e inovação à casa Gucci desde que se tornou diretor criativo da marca em 2015. E um dos seus grandes triunfos foi a sua primeira fragrância Bloom que seguiu o mesmo tema das já famosas peças de bordados florais da marca. Alessandro queria que fosse um perfume feminino e feliz e disse mesmo: “Imaginei o que aconteceria se uma rapariga entrasse no jardim da sua velha tia e aí há flores mas também vegetais, mesmo no meio de uma cidade”. Esta é a história por trás de Bloom que, depois do sucesso do ano passado, chega esta primavera numa nova versão: Bloom Acqua Di Fiori.

Verde e brilhante, como os tons de um jardim, este perfume celebra a alegria da juventude, uma espécie de ousadia misturada com inocência, tão bem representadas no anúncio onde a atriz Dakota Johnson, a modelo Nari Nef e a artista Petra Collins nadam num lago cheio de flores e folhas, capturando, assim, o próprio aroma de um jardim: um novo acorde de gálbano verde e delicados rebentos de cassis misturam-se com as notas do Bloom original numa celebração à primavera e ao verão, as eternas estações da juventude e da natureza.

Dakota Johnson, Nari Nef e Petra Collins no jardim citadino do anúncio de Bloom, filmado e fotografado no meio de Nova Iorque.

 O Tributo aos vários papéis da mulher de Guerlain

Personificado por Angelina Jolie, faz sentido que a história por trás do novo Mon Guerlain Eau de Parfum Florale se interligue diretamente com a história da própria mulher que lhe dá vida — a atriz, a mãe, a cineasta, a ativista humanitária… a mulher. Mon Guerlain é, assim, um tributo à feminilidade dos dias de hoje onde as mulheres têm muitos lados diferentes. Uma feminilidade multifacetada, orgulhosa e emancipada mas, ao mesmo tempo, gentil, suave e determinada em igual medida. É aquela mulher que parece frágil mas, na realidade, é uma força. Que nunca desiste dos seus sonhos. E esta é a história que este perfume conta.

Um perfume forte, livre e sensual, inspirado em Angelina Jolie mas também nos quentes dias de verão onde tudo brilha graças aos ingredientes criteriosamente escolhidos: a sobredosagem de Jasmim e a frescura da lavanda, combinados com a delicadeza da peónia. É como um bouquet de flores solares que se leva na pele todos os dias.

O graffitti de Jean Paul Gaultier

Depois de encontrar um espartilho num baú esquecido de infância, Gaultier desenhou um dos frascos mais icónicos da história dos perfumes femininos, nascido em 1993. A partir de então, Gaultier acustumou-nos às suas versões de edição limitada do icónico Classique Eau Fraiche que, este ano, tem um nome: a André Edition. Desenhado pelo famoso artista de graffitis André Sairava, este frasco traz a já icónica personagem Mr A, aqui desenhado como Madame A, para uma versão jovem e divertida deste Classique para este verão.

Como de costume, este perfume vem embrulhado na famosa lata do criador de cor metálica e, a não ser que tenha estado longe de uma perfumaria nas últimas duas décadas, esta fragrância também tem um aroma velhinho — mas sempre fresco — e bem reconhecido. O sumo de cana de açúcar que nos transmite imediatamente para os cheiros do verão vem bem acompanhado: gengibre, flores brancas e sorvete de limão. Refrescante e doce, tem ainda a baunilha, assinatura da família Classique, conhecida pelo seu cheiro viciante e ultra feminino.

A praia de Issey Miyake

Todos os anos, desde 1995, Issey Miyake celebra o Verão ao convidar artistas para reinventar as suas fragrâncias pioneiras. Este ano, o icónico L’Eau d’Issey teve a colaboração de dois jovens criadores franceses com abordagens distintas. Se, por um lado, Tyrsa esculpiu letras peculiares e elegantes desenvolvidas como se fossem janelas que se abrem para um verão exuberante, por outro, Alice Auboiron preencheu-as  com a sua imaginação que lhes deu vida com composições vegetais e plantas vivas.

Os icónicos frascos de L’Eau d’Issey chegam este ano com uma vibrante caligrafia fresca e azulada de praias e sol que capturam o espírito do verão. E isso também se reflete na fragrância floral frutada com um cocktail de aromas únicos como toranja picada, maracujá, goiaba, baunilha e notas de base amadeiradas. Uma espécie de perfume beijado pelo calor do sol. E porque Issey Miyake quer que seja um perfume que possa ser usado literalmente durante todo o verão, a sua fórmula é não fotossensibilizante para uma sensação refrescante ao sol.

As duas embalagens – feminina e masculina – da nova edição de verão de L’eau D’issey.

O sapato metáfora do poder feminino de Carolina Herrera

Carolina Herrera escreve uma nova página na perfumaria com o novo sapato de verão: Good Girl Eau de Parfum Légère, um aroma luminoso construído em redor da dupla icónica de jasmim e fava-tonka mas, agora, mais cremoso e macio. Ainda assim, não menos sensual e intenso. Mas é um intenso fresco que se mistura com um aroma doce graças ao “dulce de leche”, a tentadora sobremesa feita de leite condensado.

Esta versão de verão do já icónico e best-seller sapato da casa Herrera presta homenagem à natureza moderna e camaleónica das mulheres empoderadas e corajosas e à sua alegria de viver e de abraçar todos os papéis que assim lhes apetecer. Para nós, mulheres, é uma celebração da nossa personalidade espontânea e forte sem medo de quebrar as regras e de nos divertirmos. Porque podemos ser sérias e, ao mesmo tempo, desobedientes. É uma ode às mulheres multifacetadas representadas pela modelo Karlie Kloss. “Este perfume é um reflexo do empoderamento, é sobre a ousadia e o mistério feminino. Lembra-me que ser divertida e um pouco travessa, por vezes, é bom. A perfeição vem de nos permitirmos sermos quem queremos ser”, esclarece a modelo.

“É um perfume poderoso, é como apaixonarmo-nos por um par de sapatos e poder usá-los”, diz Karlie Kloss, o rosto de Good Girl.

Na fotogaleria, veja estes e outros perfumes novos de primavera e verão, para começar a preparar a sua pele e o seu estado de espírito para o calor.