Os CTT falharam o cumprimento de dois indicadores de qualidade fixados pela Anacom para o ano de 2017. Este incumprimento terá como consequência uma sanção que passa por reduzir o aumento previsto nos preços do serviço postal universal para 2018.

Em comunicado, o regulador das comunicações revela que os correios não conseguiram cumprir dois indicadores de qualidade:

  • Demora de encaminhamento no correio azul, a correspondência mais urgente que por isso também é mais cara.
  • Demora no encaminhamento no correio transfronteiriço no espaço comunitário.

Perante estes dois incumprimentos, a lei prevê que uma redução dos preços do serviço universal. Em vez da atualização fixada de 4,5%, os preços do cabaz de serviços vão aumentar 4,415% em 2018.

No caso do correio azul, o mínimo de qualidade imposto pela Anacom define que 93,5% do tráfego dentro do continente deve ser entregue no dia útil seguinte ao da entrega pelo cliente. Os CTT só conseguiram entregar nesse prazo 91,4% do correio, “violando quer o mínimo quer o objetivo — 94,5% –, ou seja, cerca de dois milhões de cartas do correio azul demoraram mais de um dia útil a ser entregues”.

Já no que diz respeito ao correio internacional na União Europeia, o indicador definia que pelo menos 85% do tráfego de cartas de e para Portugal, teria que ser entregue até três dias úteis após o seu envio, mas os CTT só cumpriram 82,6, pelo que 4,5 milhões de cartas foram entregues fora do prazo.

Esta avaliação ao cumprimento dos indicadores de qualidade do serviço ainda não reflete o impacto da reestruturação na rede que levou ao encerramento de estações e à substituição de outras por posto e que teve efeitos na oferta dos CTT já este ano. A Anacom entretanto reformulou os indicadores de qualidade a cumprir pela empresa no serviço universal até 2020, tornando-os mais exigentes,