Sporting

O que revelam mesmo as mensagens trocadas no WhatsApp que colocaram a PGR a investigar o Sporting

1.050

O Correio da Manhã divulgou esta segunda-feira várias mensagens de WhatsApp que envolvem o Sporting num alegado esquema de corrupção no andebol. Explicamos o que cada uma delas quer dizer.

O Sporting foi campeão nacional de andebol na época 2016/17 e terminou com um jejum de 16 anos

NUNO FOX/LUSA

O alegado esquema de corrupção orquestrado pelo Sporting para conquistar o título de campeão nacional de andebol na época 2016/17 baseia-se em várias mensagens de voz trocadas entre dirigentes do clube no WhatsApp. As conversas têm três intervenientes: Paulo Silva, João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues. O primeiro é o empresário de futebol que denunciou o esquema ao Correio da Manhã e servia como intermediário; o segundo era o interlocutor entre Paulo Silva e André Geraldes, o team manager do clube; o terceiro é coordenador do Gabinete de Apoio ao Atleta e Modalidades Profissionais dos leões, braço direito de Geraldes e o nome que liga todas as mensagens aos leões.

André Geraldes seria o líder do esquema: contudo, o então diretor para as modalidades do Sporting não surge em qualquer mensagem de voz.

As mensagens trocadas entre Silva, Gonçalves e Rodrigues revelam o modo como o Sporting terá pago aos árbitros para ser beneficiado nos seus jogos. Mas o esquema terá ainda sido usado para que o Benfica fosse beneficiado no jogo que disputou com o FC Porto e que deixou os leões isolados no topo da classificação.

Leia as mensagens divulgadas pelo Correio da Manhã (e também pela SIC) e a respetiva explicação:

O ABC-FC Porto

Em abril de 2017, antes do jogo ABC-FC Porto, Paulo Silva terá explicado a João Gonçalves o que fez para que o árbitro da partida prejudicasse os azuis e brancos – e as dificuldades que teve em atingir os objetivos.

Paulo Silva: Já falei com o homem. Dei-lhe a entender que se o ABC ganhasse ao Porto eu dava-lhe um prémio. Um prémio agradável para ele passar uns dias com a família. O gajo não me disse nem que sim nem que não; não foi muito direto. Vou aguardar.

João Gonçalves: Mas não é aquele gajo que tu já estiveste com ele? Porque é que não foste mais concreto com ele? Podias ter dito o valor e tudo: mil e quinhentos.

Paulo Silva: Este gajo… é um gajo chegado ao Porto, ok? E não quis estar com conversas muito claras porque estou a falar ao telefone. É o gajo com quem estive na Madeira, sim. Mas sei lá se o Porto não lhe ofereceu 2500 ou 3000 euros? E se eu lhe vou oferecer 1,5… o gajo diz: “Ó pá, este gajo vem com os putos à missa”.

O FC Porto acabou por ganhar ao ABC. Ao que tudo indica, André Geraldes terá enviado uma mensagem escrita a João Gonçalves onde é visível o seu desagrado. O team manager do Sporting escreveu: “O Paulo não falou nada com os gajos da Madeira”. Gonçalves tirou um printscreen da mensagem e enviou ao intermediário.

O Sporting-Águas Santas

A 10 de maio, o Sporting jogou com o Águas Santas. Antes do jogo, Gonçalo Rodrigues pediu a Paulo Silva que falasse com os árbitros da partida: principalmente com um, aparentemente mais suscetível, de nome Alberto.

Gonçalo Rodrigues: Paulo, estamos com dificuldades em encontrar o contacto do Alberto. Você viu o Facebook dele, tem que ser por ali. Apalpe o terreno, se é gajo que dá par ir ou não, ok? Faça isso.

Paulo Silva: Estive a ver os jogos que ele apitou este ano e foi quase tudo na segunda divisão, juvenis, juniores e por aí fora. Cheira-me a esturro, mas vamos ver o que dá. Será que não devíamos ir por um ou dois jogadores, ou três, do Águas Santas?

Alguns dias depois, o intermediário informa o interlocutor sobre a situação.

Paulo Silva: Já tenho o contacto. 

Gonçalo Rodrigues: Máquina. Logo lhe dizemos. Deixe-me analisar a questão com o André [Geraldes].

O Sporting acabou por vencer o Águas Santas mas André Geraldes não gostou da prestação do árbitro do jogo. E voltou a enviar uma mensagem escrita a João Gonçalves para mostrar o seu descontentamento. Mensagem essa que, mais uma vez, foi parar a Paulo Silva: “Deu m… o andebol. Fomos muita roubados. Aquilo não é estar connosco. Esquece. Vinham para nos f… Quando não fala [Paulo Silva] mais vale dizer. Hoje o que valeu foi a super equipa”.

O Sporting-ABC

Mais tarde, em jogo a contar para a Taça de Portugal de andebol, o Sporting perdeu com o ABC. O intermediário tentou explicar-se e desculpar o árbitro, garantindo que este fez tudo para beneficiar os leões mas a equipa não cumpriu.

Paulo Silva: Pá, marcam um livre de sete metros que poderiam não ter marcado, a acabar o jogo. A nosso favor, que é o que nos dá o empate. Os gajos puseram-nos no jogo várias vezes. Nós fomos muito incompetentes. Os gajos fizeram o que podiam ter feito.

O Benfica-FC Porto

No dia 20 de maio, o Benfica venceu o FC Porto pela margem mínima de um golo e o Sporting ficou isolado no topo da tabela classificativa. Paulo Silva terá subornado o árbitro do jogo, de maneira a que prejudicasse os azuis e brancos.

Gonçalo Rodrigues: Vou-lhe mandar um beijo na boca, Paulo, quando o vir. Está tudo muito contente. A ver se depois nos sentamos a falar um bocado. Mas nem é tempo de festejos, sequer. Os festejos antecipados dão mau resultado.

No dia seguinte, o intermediário pede a João Gonçalves o dinheiro para pagar a quantia prometida ao árbitro do Benfica-FC Porto e retirar a sua comissão, que seria de 350 euros.

João Gonçalves: Eu já te ligo. Tenho que ir a Lisboa. O chefe [André Geraldes] pediu para ir lá ter com ele, deve ser para me dar aquilo para eu depois te dar. Fica atento ao telefone que eu depois ligo-te para combinar contigo.

Paulo Silva deslocou-se então a Lisboa para recolher o dinheiro. João Gonçalves revela algum receio relativamente ao local combinado e pede que seja noutro sítio.

Paulo Silva: Eu estou a caminho de Lisboa. Portanto, estou por ali.

João Gonçalves: Não é boa ideia ser na bomba, porque têm câmaras e um gajo nunca sabe o dia de amanhã. Eu vou entrar aqui nesta rua que vai dar ao Areeiro. E vou parar aqui, algures à direita. Estou logo a seguir à paragem. Vês o meu carro estacionado. Paras logo à frente. 

O encontro entre os dois acontece e Paulo Silva reúne mais tarde com o árbitro do Benfica-FC Porto para lhe entregar a quantia devida. A 22 de maio de 2017, o intermediário conta, incrédulo, a Gonçalo Rodrigues, que o árbitro julgava ter sido corrompido por dirigentes ligados ao Benfica. 

Paulo Silva: Gonçalo, sabes como é que o c… se despediu de mim? “Abraço. Rumo ao 37!”. Filho da p….

O Sporting-Benfica

No mesmo dia, Paulo Silva e Gonçalo Rodrigues falam sobre a abordagem feita aos dois árbitros do Sporting-Benfica – o jogo do título -, marcado para 31 de maio. Os leões venceram por 25-23 e conquistaram o título nacional que escapava há 16 anos.

Paulo Silva: Gonçalo, já tratei da situação. Disse-lhes que se ganharmos dou-lhes um brindezinho. Falei-lhes no valor, claro, 1,5…e disse-lhes pá, pronto, “queremos muito ser campeões, se as coisas estiverem complicadas, eh pá, tem de dar aí uma mãozinha”. Ele garantiu-me que não nos vai prejudicar. E ficou assim a conversa.

Gonçalo Rodrigues: Excelente, é isso mesmo. Também temos de ser competentes para fazer a nossa parte, é isso mesmo.

Já depois do jogo, o braço direito de André Geraldes congratulou o intermediário.

Gonçalo Rodrigues: Foi, foi, foi, foi muito bom. Liguei para o meu pai a chorar, porque a última vez que fomos campeões estava com ele na nave de Alvalade. Eu era pequenino na altura. E foi muito bom. É este o caminho que a gente tem que…temos de ganhar em todas as modalidades, como no hóquei e no andebol e urgentemente temos de que ser campeões no futebol também. É este o caminho. Grande abraço. Disfrute!

A Procuradoria-Geral da República confirmou entretanto que foi instaurado um inquérito para investigar os eventuais crimes praticados pelos dirigentes ligados ao Sporting.

[Veja no vídeo quem é André Geraldes, o dirigente apontado como corrupto]

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Futebol

Ópios do povo /premium

Alberto Gonçalves

Um golo do Alcochetense garante sete segundos de festividades; o já lendário “terrorismo” de Alcochete implica 700 horas de emissões televisivas quase ininterruptas, de longe um terror mais desumano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)