Com a urgência da venda da Herdade da Comporta a aumentar, aumentam também os interessados na compra. Agora, avança o semanário Expresso, é a vez de Paula Amorim entrar na corrida. A presidente do grupo Amorim, que fez um consórcio com o grupo imobiliário Vanguard Properties, está interessada na compra daquela herdade, que está à venda desde que os donos entraram em insolvência na sequência do colapso do Grupo Espírito Santo.

Em declarações ao semanário Expresso, o diretor da Vanguard, José Cardoso Botelho, afirma que o consórcio está na corrida. “Há de facto um consórcio sólido formado pelo maior grupo económico português, que tem como acionista Paula Amorim”, confirmou ao jornal. Paula Amorim e a Vanguard, fundada pelo milionário francês Claude Berda, contudo, não são os únicos interessados na herdade: a holding luxemburguesa Oakvest é outra interessada, assim como o aristocrata francês Louis-Albert de Broglie.

Resta saber, contudo, o valor que está em causa para adquirir os 1.360 hectares, que na altura foram avaliados em 420 milhões de euros. “O valor oferecido não pode, nesta fase, ser revelado”, disse àquele jornal o porta-voz de Claude Berda, ao mesmo tempo que garantiu que “a oferta, à luz da informação disponibilizada, é justa e adequada, tendo em consideração os enormes desafios do projeto”.

A herdade está à venda desde que os donos entraram em insolvência com o colapso do Banco Espírito Santo (BES). A Rioforte, sociedade do Grupo Espírito Santo em insolvência no Luxemburgo, é dona de 59% das unidades de participação do fundo, pelo que ou se vende a Herdade da Comporta ou também corre o risco de ir à falência.