Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Bloco de Esquerda (BE) vai chamar o ministro da Educação ao Parlamento para prestar esclarecimentos urgentes sobre a polémica à volta da contagem do tempo de serviço prestado pelos professores durante o período de congelamento das carreiras.

Tiago Brandão Rodrigues tinha assumido nesta segunda-feira que o tempo de serviço prestado pelos professores durante o período de congelamento das carreiras não seria contabilizado para efeitos de progressão. Uma posição contrária à do BE que exige a contagem integral do tempo de serviço.

“Governo deu um passo, sindicatos não deram nenhum”. Ministro da Educação rompe com sindicatos

Sem acordo, os sindicatos anunciam greve às avaliações e ameaçam faltar aos exames e ao início do ano letivo, agravando assim o clima de tensão entre governo e sindicatos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Conforme acusou a deputada bloquista, Joana Mortágua, em declarações aos jornalistas na manhã desta terça-feira no Parlamento, “o Governo não pode passar com um borracha sobre todos aqueles anos”, num ato que classifica de “irresponsável”. Para a bloquista, “o governo entrou na negociação com uma posição de chantagem com os sindicatos e os milhares de professores“, lembrando que  nesta posição do ministério tutelado por Brandão Rodrigues, não estão a ser cumpridas as resoluções da Assembleia da República. “Não se pode jogar com 10 anos de uma vida de trabalho”, rematou.