Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Por mais voltas que se dêem, por mais toneladas de efeitos digitais com que se carreguem os filmes, vamos sempre parar aos mesmos arquétipos dos contos tradicionais e das narrativas épicas e fantásticas. Em “Mundo Jurássico: Reino Caído”, o segundo filme da segunda trilogia da série iniciada há 25 anos com “Parque Jurássico”, de Steven Spielberg, o arquétipo em causa é o da criança perseguida pelo monstro. A criança é Maisie (Isabella Sermon), a neta de Benjamin Lockwood (James Cromwell), multimilionário e parceiro do falecido John Hammond nas experiências de clonagem de dinossauros que levaram à construção do Parque Jurássico original. E o monstro é o Indoraptor, espécie de super-Velociraptor, maior, mais inteligente e mais letal, uma abominação híbrida fabricada geneticamente no laboratório do dissimulado e malvado Eli, (Rafe Spall) o secretário de Lockwood , para servir de arma de guerra.

[Veja o “trailer” de “Mundo Jurássico: Reino Caído”:]

Este arquétipo ancestral dá o mote ao filme, que sucede a “Mundo Jurássico” (2015). Não há nada que seja novo ou original aqui. “Mundo Jurássico: Reino Caído”, realizado pelo espanhol J.A. Bayona (autor de um arrepiante filme de terror, “O Orfanato”, de 2007) é mais um caso de “baralha e volta a dar”, de manipulação dos mesmos elementos do limitado ADN narrativo da série pelos seus autores, na tentativa de surpreender os espectadores. Que já conhecem a receita de cor e salteado, apesar da apresentação aparentemente nova dos ingredientes, e da introdução do Indoraptor à galeria de dinossauros. Em “Mundo Jurássico: Reino Caído”, a abandonada Ilha Nublar está em risco de ser arrasada por um vulcão, que irá matar os dinossauros que por lá andam à solta depois da destruição do parque da primeira fita.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[Veja a entrevista com o realizador J.A. Bayona:]

Entra em cena de novo Claire Dearing (Bryce Dallas Howard), antiga executiva do “Mundo Jurássico”, agora ativista dos direitos dos dinossauros, que pretende que o governo financie uma missão de salvamento dos animais à Ilha Nublar (até no cinema é o contribuinte que é chamado a pagar os delírios dos militantes das causas fofinhas). Após ter recebido uma negativa do poder, Claire é contactada por Benjamin Lockwood, que pôs de pé uma operação privada de resgate dos dinossauros, a que esta adere, levando consigo dois membros da sua equipa  (essencialmente, para servirem de alívio cómico e protagonizarem uma série de situações estereotipadas), e Owen Grady (Chris Pratt), antigo tratador de dinossauros do parque e responsável por treinar e domar Blue, a última Velociraptor existente.

[Veja a entrevista com Bryce Dallas Howard e Chris Pratt:]

Uma vez chegados à Ilha Nublar, a fábrica de clichés começa a funcionar em pleno. Há dinossauros em pânico, humanos traiçoeiros, a obrigatória sequência de terror com um T-Rex e salvamentos “in extremis”. De volta à civilização, o argumento continua a debitar clichés, enquanto se vai afundando na inverosimilhança e no absurdo. E temos dinossauros transformados em mercadoria, humanos espezinhados, atirados pelos ares e mastigados pelos monstros e, nos intervalos das sequências de ação, discursos moralizadores contra a privatização das pesquisas científicas, a exploração dos animais, o perigo da extinção das espécies, a manipulação genética e a clonagem (neste último capítulo, há um subenredo risível envolvendo a neta de Lockwood e a personagem da governanta, interpretada por Geraldine Chaplin).

[Veja uma cena do filme:]

“Mundo Jurássico: Reino Caído” quer ter sol na eira e chuva no nabal. Petende ser, em simultâneo, um “monster movie” como mandam as regras, com muito espetáculo de dinossauros a arrasarem coisas, a espalharem o terror e a deglutirem gente, e um filme com preocupações ambientais, que dá lições “éticas” e deixa “avisos” sérios, rematados pelo discurso final da personagem de Jeff Goldblum, resgatada à primeira trilogia para vir dar um sermão de lugares-comuns hollywoodescos e com barbas bíblicas sobre os perigos do progresso científico e as ameaças do homem à natureza. O final desta segunda fita da nova trilogia deixa as portas escancaradas para a continuação, que deve chegar aos cinemas em 2021. Mas a verdade é que já estamos fartinhos desta série bombástica e esgotada, destes dinossauros digitais e das histórias de juntar por pontinhos em que os metem.

Se há alguém que os está a explorar de forma indecente, para fins meramente lucrativos e com valor cinematográfico e de entretenimento nulo, não são os vilões desta fita. São os responsáveis pelas duas trilogias nascidas do “Parque Jurássico” original que Steven Spielberg realizou em 1993, a partir do livro de Michael Crichton. Ao pé desta clonagem interminável de filmes de dinossauros para monetização intensiva, a do Indoraptor  de “Mundo Jurássico: Reino Caído” é trabalho de meninos ingénuos.