Rádio Observador

Saúde

Saúde sobre Rodas: projeto inédito leva cuidados dermatológicos aos sem-abrigo de Coimbra

488

O projeto Saúde sobre Rodas está a pôr Coimbra no mapa dos cuidados dermatológicos a sem-abrigo. Todas as semanas, três profissionais diagnosticam e tratam problemas de pele. A ideia já foi premiada.

Desde outubro de 2017 que a enfermeira Marina Montezuma Vaquinhas e as dermatologistas Bárbara Fernandes e Bárbara Roque Ferreira prestam cuidados da especialidade aos sem-abrigo da cidade de Coimbra.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Em outubro de 2017, duas médicas e uma enfermeira de Coimbra iniciaram um projeto de voluntariado focado na prestação de cuidados dermatológicos à população sem-abrigo da cidade. Com o nome Saúde sobre Rodas, começaram a dar as primeiras consultas de diagnóstico em abrigos da cidade. Oito meses depois, a iniciativa, que entretanto conseguiu financiamento, percorre quinzenalmente as quatro instituições de acolhimento da cidade.

Longe de ser uma prioridade no apoio dado à população sem teto, ao contrário da comida e do vestuário, o projeto é visto como pioneiro. Depois de um primeiro diagnóstico, a equipa regressa semanas depois para reavaliar cada caso. “Estamos a percorrer todas as instituições aqui de Coimbra e, pelas nossas contagens, vamos conseguir dar resposta a todas as instituições que apoiam este contexto populacional. Em algumas, como é o caso do Farol, já estamos a reavaliar. A reavaliar e a incluir outros utentes que, entretanto, entraram na instituição. É uma população flutuante, muito dinâmica, uns saem, outros entram”, explica Marina Montezuma Vaquinhas, professora na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

Foi ela a precursora do Saúde sobre Rodas. Em 2009, Marina começou a dedicar tempo à população sem-abrigo, como voluntária de uma outra instituição, a Associação Integrar. Na altura, começou por levar os seus alunos do curso de enfermagem para os giros noturnos, além das intervenções educativas e avaliações feitas em sala. A prática durante até hoje, mesmo depois de ter convidado duas dermatologistas a formarem uma equipa com mais alcance na cidade. “Trabalhava com os sem-abrigo e, de facto, a dermatologia era uma área muito desvalorizada, ninguém ligava e eu identificava muitas micoses e outras lesões de pele. Para mim, a pele é um enigma, mas sempre achei que era importante ter uma amiga da área da dermatologia a integrar o projeto”, conta.

Marina fez o convite a Bárbara Fernandes, dermatologista no IPO de Coimbra, como já tinha feito tantos outros. Chegou mesmo a contar com a ajuda de um higienista, também amigo, nas visitas frequentes à associação. Bárbara não só aceitou, como entendeu o desafio a outra dermatologista, Bárbara Roque Ferreira, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

No final do ano passado, Bárbara Fernandes concorreu com o Saúde sobre Rodas ao prémio Dermatologist from the Heart, da marca de cosmética La Roche-Posay. No início do ano, o projeto foi selecionado para receber uma bolsa de 10.000 euros. “O prémio viabilizou o projeto de duas maneiras. Por um lado, porque nós temos uma abordagem terapêutica sempre que identificamos uma patologia e, nesse aspeto, permite-nos comprar os medicamentos e vir cá trazê-los. Por outro lado, há uma vertente mais educacional e de promoção de saúde. Oferecemos a cada utente um kit com um gel de banho, um champô, um hidratante, um desodorizante e uma escova e uma pasta de dentes. Sem esse apoio financeiro, evidentemente, não poderíamos fazê-lo”, afirma Bárbara Fernandes.

A começar à esquerda: Bárbara Roque Ferreira, Marina Montezuma Vaquinhas e Bárbara Fernandes © JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

As três voluntárias reconhecem a importância da bolsa, mas admitem também que o projeto continuaria a atuar, mesmo sem o apoio da La Roche Posay. “Assim, podemos fazer estes brilharetes”, conclui Bárbara Fernandes. A atribuição do prémio foi unânime. Na última edição (acontece em Portugal desde 2013), concorram mais de uma dezena de projetos de intervenção social e educativos na área da dermatologia. As ações de sensibilização para o risco de cancro da pele têm dominado as listas de candidatos, mas esta, a primeira a ter os sem-abrigo como população-alvo, não deixou dúvidas ao painel de especialistas responsável pela seleção.

Segundo António Massa, presidente da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia, os especialistas da área estão muito mais voltados para a prática de voluntariado do que pensamos. “Há gente disponível e com vontade de fazê-lo. Tentámos desenvolver um projeto dentro da Sociedade, mas foi-nos dito que era difícil porque não havia instalações para observarmos os utentes”, explica.

Mas os esforços do especialista têm ido no sentido de outra população, a dos idosos em lares. Nesses fins de semana, uma equipa que chega a contar com 14 médicos, entre os quais especialistas fora da dermatologia, rumam ao Nordeste Transmontano. “Vamos ver doentes, tratar e resolver problemas. Para mim, a dermatologia é presencial”, afirma. Desde o início dos anos 90 que assim é, de forma gratuita e com os médicos a usarem material próprio. A prevenção do cancro de pele continua a ser um tópico recorrente nos meios rurais, onde a população trabalha anos ao fio debaixo do sol. Em janeiro deste ano, uma equipa de quatro dermatologistas viajou até à ilha de São Jorge, nos Açores, com a mesma finalidade. Durante um fim de semana, mais de 300 pessoas foram tratadas e realizaram-se mais de 50 cirurgias.

No Farol, instituição que pertence à Cáritas de Coimbra, os diagnósticos e avaliações decorrem maioritariamente entre caras já conhecidas. O projeto acompanha apenas utentes, ou seja, indivíduos já institucionalizados, pelo que as intervenções de rua são extremamente raras. Até hoje, a equipa, sempre composta também por estudantes de enfermagem, acompanhou apenas uma ronda diurna da Associação Integrar, destinada a sinalizar situações na Baixa de Coimbra. Em todos os outros momentos, as consultas decorrem entre quatro paredes, respeitando a privacidade de cada utente. A primeira abordagem fica sempre a cargo dos profissionais de enfermagem, sob a supervisão de Marina. Peso, altura, índice de massa corporal, tensão arterial e glicemia são indicadores recolhidos logo no início. Seguem-se os exames das duas médicas de serviço.

No centro de acolhimento Farol, os cuidados primários de saúde dermatológica, como é o caso do creme hidratante, já fazem parte do quotidiano dos utentes © JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

“O que mais me marca é a resposta que o doente dá aos cuidados que prestamos, é diferente do hospital. Aqui, há pequenas coisas que são valorizadas de uma maneira muito mais impressionante”, admite Bárbara Roque Ferreira. “É uma continuidade daquilo que já faço e que gosto de fazer. É um contacto com o próximo e, sempre que possível, de uma forma calorosa. Obviamente, tenho noção de que é uma população que, se não viéssemos cá, talvez não tivesse acesso aos serviços”, completa Bárbara Fernandes.

A vida na rua, por vezes mantida durante anos, e a consequente privação de rotinas de higiene torna esta população especialmente vulnerável a patologias cutâneas. “Acho que só ainda não vi patologia tumoral”, acrescenta Bárbara Fernandes. Micose, psoríase, escabiose e calosidades, estas últimas especialmente comuns, dadas as carências de calçado adequado. “Andam muito a pé, usam calçado de plástico, proveniente de donativos e o número, muitas vezes, nem é o certo. Mas até aqui, têm sido patologias ligeiras e moderadas e que, com prescrição médica, temos conseguido resolver”, esclarece a médica. O procedimento é simples. Após o diagnóstico, feito no centro de acolhimento, as médicas passam as receitas e regressam dois ou três dias depois com os medicamentos necessários.

A intervenção do projeto Saúde sobre Rodas no Farol, na Associação Integrar, mas também na Cozinha Solidária e no centro Sol Nascente, ganha contornos ainda mais especiais se pensarmos na dificuldade, por vezes relutância, que esta população vulnerável tem em aceder ao Serviço Nacional de Saúde. “Há duas situações: os que se afastam e que têm muita dificuldade em ir aos serviços de saúde e os que os centros de saúde e os cuidados de saúde primários e que vão ao serviço de urgência só quando existe uma agudização do estado de saúde. É difícil sensibilizá-los para isso, até porque há logo uma barreira, os custos — a medicação dermatológica é cara”, afirma Justina Dias, diretora do Farol.

Utentes e equipa Saúde sobre Rodas no final das consultas © JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Atualmente, só esta unidade de acolhimento conta com 30 utentes em regime noturno e com outros tantos que usufruem de apoio diurno. Os homens estão em maioria, bem como a faixa etária que vai dos 40 aos 51 anos. “Eles ficam muito contentes com as ofertas e com este acompanhamento. A área da saúde, e esta especialidade em concreto, não é muito acessível a estes público vulneráveis. Agora, por exemplo, não faltou um na hora da reavaliação. Normalmente, há um desfasamento entre o problema e o tempo de espera. Isto permitiu dar uma resposta mais rápida do que através do médico de família, por exemplo. Depois de estar seis meses ou um ano à espera de uma consulta, o utente podia já nem estar aqui no centro”, conclui Justina Dias.

Até ao fim deste ano, o Saúde sobre Rodas tem a sua sustentabilidade financeira garantida, com a bolsa de 10.000 euros conseguida em janeiro. Além dos conjuntos de higiene pessoal, que rondam os 30 euros, a verba é ainda canalizada para os medicamentos e para o material utilizado pela equipa, como luvas e lâmpadas de observação. As três protagonistas consideram, por isso, a possibilidade de concorrer a outros apoios, o Prémio de Boas Práticas em Saúde é um deles. A própria La Roche-Posay, não descarta a possibilidade de continuar a apoiar o projeto, mesmo já tendo atribuído o prémio no início deste ano. Bárbara Fernandes conta já ter tido pacientes no seu consultório a perguntarem como podem contribuir. Com ou sem bolsas, o trabalho iniciado por esta enfermeira e por estas duas médicas vai continuar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Eutanásia

A rampa cada vez mais deslizante

Pedro Vaz Patto

Deve uma sociedade que se pretende solidária confirmar, a pretexto de respeito pela vontade do doente, a ideia de que a pessoa demente é um peso difícil de suportar e deve, por isso, ser eliminada?

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)