A Tesla é boa a criar nomes que mexem com as pessoas e as suas gigafábricas ão disso um bom exemplo. A marca americana tem uma fábrica na Califórnia, onde produz todos os seus modelos e é de longe a sua principal instalação fabril. Mas a mais badalada é a gigafactory no Nevada, no Estado vizinho, onde (de momento) apenas se fabricam baterias. Quando estiver a trabalhar em pleno, vai criar packs de baterias capazes de alimentar até 1.500.000 carros por ano (numa segunda fase, vai igualmente fabricar automóveis), número que a marca americana só vai atingir depois das linhas dos Model S, X, 3 e Y estarem a trabalhar em pleno, e já com o Roadster e o Semi à mistura.

Mas isso não impediu a Tesla de avançar com a segunda gigafactory na China (em Xangai, depois de os chineses alterarem a lei que obrigava os investidores estrangeiros a oferecer 50% a um sócio local), de onde vão sair baterias e carros em simultâneo, dado que as baterias são caras e pesadas, sendo aconselhável serem produzidas próximo dos veículos que as vão utilizar, pois o seu transporte é oneroso.

Fábrica da Tesla em Portugal? Sim, é possível

Mas semanas depois de decidir avançar com a gigafábrica em Xangai, eis que Musk começa já a falar da europeia, em que Portugal era um dos países considerados mais bem colocados. E o favoritismo tinha várias origens, com a presença do lítio necessário à produção das baterias a ser um dos factores. Contudo, parece que a Alemanha puxou dos galões e tudo indica que será no maior e mais forte país europeu – aqui considerando apenas a economia, riqueza produzida  e número de habitantes, deixando pois de lado o futebol – que a terceira gigafactory vai surgir.

A Tesla já comprou um reputado fabricante germânico de robôs em 2016, a Grohmann Engineering, pelo que já conhece o potencial de trabalho e a eficiência naquela parte do globo e, ao que parece, durante uma entrevista à britânica Autocar, o seu CEO terá dado uma pista que seria a Alemanha a receber a gigafactory europeia, ali em Prüm, bem perto da Grohmann e também da fronteira com França e o Luxemburgo.

Esta opção, má para os portugueses, faz todo o sentido para a marca americana, pois é a Grohmann que fabrica os robôs de que as futuras instalações necessitam. As negociações ainda estão em curso, pelo que a corrida está longe de estar encerrada. Mas o que parece óbvio é que a Tesla pretenderá ter uma gigafactory para cada continente.