Rádio Observador

Tailândia

Médico e mergulhador: quem é o australiano envolvido no resgate na Tailândia?

9.190

Tem 30 anos de experiência em mergulho em grutas em todo o mundo, é anestesista e fotografa. Richard Harris foi quem deu luz verde para o início das operações de resgate dos jovens na Tailândia.

Richard Harris/Facebook

No resgate dos 12 rapazes tailandeses e um adulto de uma caverna em Chiang Rai, na Tailândia, há um médico australiano que tem assumido um papel essencial na operação que esta segunda-feira já conseguiu a saída de mais quatro crianças da caverna. Richard Harris tem 30 anos de experiência em mergulho e foi requisitado especificamente pelos especialistas internacionais presentes na missão. Estava de férias quando foi contactado para a operação.

Foi este anestesista de Adelaide, na Austrália, que mergulhou até aos jovens e treinador no sábado e determinou que estavam aptos em termos de saúde para seguirem em frente na jornada perigosa para sair das cavernas inundadas. A sua especialidade é procurada para este resgate, segundo a ministra dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop, citada pelo TheNewDaily.

O médico trabalhou nos últimos seis anos para a MedStar, um serviço de apoio médico na Austrália. Segundo David Strike, que conhece Harris há mais de dez anos, o seu conhecimento e experiência na área é essencial, ainda que o médico seja “apenas um membro de uma equipa de pessoas extraordinariamente qualificadas e extraordinárias, preparadas para sacrificar seu próprio conforto, segurança e bem-estar em benefício dos outros. É um termo muito usado, mas todos os envolvidos são verdadeiros heróis ”, disse à Fairfax.

Desde a China à Nova Zelândia, Richard Harris completou mergulhos em todo o mundo e enfrentou situações complexas de resgate. Uma delas, contou ao The Astralian, foi quando teve de recuperar o corpo de uma amiga durante uma operação de resgate na Austrália, em 2011. A mergulhadora Agnes Milowka ficou sem ar numa caverna em Millicent, perto de Mount Gambier, e não conseguiu sair de lá. “Parecia que ela estava muito calma até o último suspiro, enquanto trabalhava para se libertar”, disse Harris.

“É preciso ter muita atenção aos detalhes e ser meticuloso”

O resgate que desde domingo decorre na Tailândia é uma tarefa complexa: os mergulhadores, as crianças e o treinador têm de mergulhar, nadar e escalar o caminho até chegarem ao exterior. Todo este percurso é feito num túnel escuro e pequeno, onde os adultos mal conseguem passar.

Harris integra um grupo de 90 mergulhadores responsáveis pela operação. 50 são estrangeiros e 40 são tailandeses. Bill Griggs, antigo chefe da equipa de resgate da MedSTAR, disse à ABC Radio Adelaide que “para fazer mergulho em cavernas é preciso ter muita atenção aos detalhes e ser meticuloso”, daí Harris ser perfeito para a tarefa, além de “a experiência médica ser um bónus importante”.

O médico australiano chegou a integrar a equipa responsável pela resposta médica nos atentados de Bali, em 2002, que causaram 202 mortos. “Ele fez muitas coisas com mergulho em cavernas ao longo de muitos anos e é conhecido por estar incluído num grupo restrito de pessoas que têm esse alto nível de especialização”, acrescentou Griggs.

Além de médico e mergulhador, Richard Harris é também fotógrafo subaquático e tem aproveitado a tecnologia para explorar e fotografar as cavernas australianas e o seu exterior.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)