Cinema

“Prece ao Nascer do Dia”: sobreviver a lutar numa prisão tailandesa

155

O francês Jean-Stéphane Sauvaire assina aqui um filme baseado em factos reais, que não desculpabiliza a personagem principal nem faz concessões sentimentais. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Imaginem o que é dormir no chão de uma cela sobrelotada, acordar de manhã com um tipo morto de um lado e um assassino em série tatuado da cabeça aos pés do outro, e estar um homem enforcado mesmo à nossa frente. É apenas rotina na penitenciária de Klong Prem, em Bangkok, ironicamente conhecida como “Bangkok Hilton”. E o resto da rotina do dia inclui refeições intragáveis, condições de higiene indescritíveis, privacidade inexistente, lutas no pátio, violações colectivas na cela, guardas corruptos, tráfico de drogas interno e a necessidade de se estar constantemente alerta para não se ser brutalizado e morto num abrir e piscar de olhos. Porque ali, um maço de cigarros ou uma embalagem de analgésicos têm muito mais valor do que uma vida humana.

Foi precisamente a Klong Prem que foi parar Billy Moore, um inglês de Liverpool a viver nas margens da legalidade na Tailândia. Billy era um delinquente, toxicodependente e lutador de Muay Thay, a arte marcial tailandesa e desporto nacional do país. E conseguiu aguentar-se porque se agarrou ao Muay Thay como única forma de sobrevivência e de ligação à sanidade, conseguindo ser seleccionado para a equipa da prisão e passando a gozar de alguns privilégios. Nomeadamente, o luxo de uma cela partilhada ainda com assassinos e criminosos de toda a sorte, mas em menor número e lutadores de Muay Thay como ele, formando assim uma irmandade. Moore contou a sua história num “best-seller”, “Prece ao Nascer do Dia”, filmado pelo francês Jean-Stéphane Sauvaire e interpretado por Joe Cole, o John Shelby da série “Peaky Blinders”.

[Veja o “trailer” de “Prece ao Nascer do Dia”]

Por coincidência, a fita estreia-se poucos dias depois da equipa de jovens futebolistas e do seu treinador terem sido salvos da caverna na Tailândia, e nela encontramos quer o lado mais negro deste país, quer o reverso da medalha dos exemplos de solidariedade, abnegação, sacrifício e coragem humana dados naquela situação. “Prece ao Nascer do Dia” é um retrato do pior, mais baixo, mais degradante, mais egoísta e e mais selvático a que o homem pode descer. Enquanto “filme de prisão” que descreve os horrores de se estar encarcerado em condições sub-humanas num país estrangeiro, mete “O Expresso da Meia-Noite”, de Alan Parker, num chinelo.

[Veja a entrevista com o actor e o realizador]

Sauvaire não acciona o efeito de empatia nem tenta vitimizar ou desculpabilizar Billy Moore, que não era boa peça. Desde os 16 anos que fazia vida de crime e andava metido nas drogas, e já tinha estado preso várias vezes em Inglaterra, antes de ter ido para a Tailândia. Mas o realizador não o desumaniza por completo, pois Joe Cole mostra o homem imaturo, desesperado e vulnerável que Moore era (ver a sua relação com o “ladyboy” Fame), sob a carapaça da agressividade potenciada pela dependência da heroína, que devidamente canalizada para o Muay Thay, acabou por lhe salvar literalmente a vida e tirá-lo daquele inferno carcerário. (O verdadeiro Moore aparece mesmo no final do filme).

[Veja o verdadeiro Billy Moore]

Autor de documentários como “Carlitos Medellín” (2004), sobre a violência no quotidiano dos moradores de uma zona pobre da cidade de Medellín, na Colômbia, em especial no auge do domínio dos cartéis da droga, e de uma fita sobre as crianças-soldado africanas, “Johnny Mad Dog” (2008), Jean-Stéphane Sauvaire filma aqui com um realismo bruto, sujo e feio que nos é esfregado na cara plano sim, plano sim, e uma agressividade extrema da imagem e do som. Isto torna “Prece ao Nascer do Dia” em algo paradoxal, um híbrido de filme de “arte e ensaio”  e de “exploitation” de artes marciais, um documento sem concessões sentimentais ou moralizantes com exibicionismo da violência embutido.

[Veja imagens da rodagem]

No Festival de Cannes de 2017, a fita foi, curiosamente, exibida na secção Projecções da Meia-Noite, na companhia de dois policiais de acção sul-coreanos. Tinha qualidades para estar presente no certame, mas não respeitabilidade suficiente para passar de forma mais visível. O que falta também a Jean-Stéphane Sauvaire é a noção de que “Prece ao Nascer do Dia” tem ganga que devia ter sido rapada na montagem, para evitar saturar o espectador com tanto massacre visual e sonoro. A história ficava mais bem contada e com igual impacto, sem ter sido preciso esticar o filme para as duas horas de duração que agora parecem ser a norma, quer em Hollywood, quer numa co-produção independente e internacional (França/GB/Cambodja/EUA/China) como esta.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)