Rádio Observador

Óscares

Academia dos Óscares cria nova categoria para premiar “filmes populares”

Nas novidades anunciadas pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood estão também a diminuição do tempo da cerimónia e a data de transmissão, que vai ser antecipada.

PAUL BUCK/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou mudanças na atribuição dos Óscares, entre as quais a criação de uma nova categoria para premiar “filmes populares” e uma redução do tempo de transmissão da cerimónia.

Na terça-feira à noite, o Conselho de Governadores da academia reelegeu o cineasta e diretor de fotografia John Bailey como presidente e aprovou algumas alterações ao formato da cerimónia, anunciadas esta quarta-feira através do Twitter.

A principal mudança prende-se com a criação de uma nova categoria para premiar “filmes populares” (vulgarmente designados por blockbusters). Os critérios para esta nova categoria ainda estão por anunciar, de acordo com uma carta enviada pela academia aos seus membros, citada pela imprensa especializada.

Outra alteração é a do tempo de duração de apresentação da cerimónia, com a academia a planear uma transmissão de três horas, “mais acessível” para espetadores de todo o mundo. “Para honrar as 24 categorias, apresentaremos algumas categorias selecionadas ao vivo, no Dolby Theatre, durante os intervalos comerciais (categorias por determinar). Os momentos da vitória serão editados e apresentados mais tarde durante a transmissão”, lê-se na carta.

A terceira grande mudança refere-se a 2020 e tem que ver com a data de transmissão da cerimónia, que será antecipada.

Assim, a 92.ª edição dos Óscares será transmitida no dia 9 de fevereiro, mantendo-se inalterada a data prevista para a cerimónia de 2019: 24 de fevereiro.

O Conselho de Governadores justifica estas alterações com a necessidade de corresponder às sugestões apresentadas pelos membros, no sentido de “manter a relevância dos Óscares e da academia num mundo em mudança“. A cerimónia deste ano, que distinguiu com o Óscar de melhor filme “A forma da água”, de Guillermo del Toro, foi a menos vista de sempre.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)