No ano passado, a Seat recebeu 11.200 ideias, propostas pelos seus empregados, visando melhorar a actividade do construtor espanhol, ou seja, oferecendo novas perspectivas de como a empresa pode tornar-se mais eficiente. E resultou: a marca anuncia agora que acabou por poupar 12,6 milhões de euros, por ter adoptado algumas dessas propostas.

Mas quem se interessou por dar um impulso qualitativo à actividade do empregador também foi premiado por isso. No total, a casa de Martorell distribuiu 2.123.000 euros pelos seus colaboradores, repartidos por nove categorias (produto, instalações, ergonomia, poupança energética, easy ideas, melhoria de processos, qualidade, meio ambiente e inovação).

Esta fórmula ganhadora – afinal de contas, todos ganham – existe há quase duas décadas, sob o chapéu do programa “Ideias para Melhorar”. Mas a crescente participação e os proveitos daqui retirados levam o construtor espanhol a pretender fazê-lo evoluir. Já no próximo ano assumirá outra denominação, passando a chamar-se “Ideias Seat”, e deverá incorporar outras áreas onde a empresa quer dar um passo em frente, com a ajuda dos seus empregados. Nomeadamente, ao nível da inovação e da colaboração social, sendo certo que a poupança continuará a ser um factor diferenciador deste projecto. Para se ter uma ideia, foi graças à ideia de um empregado da linha de montagem que a Seat evitou um investimento adicional nas suas instalações, no período em que teve de produzir em simultâneo a antiga e a nova geração do Ibiza. Mas alguém se lembrou, e bem, que a cola para vedar os vidros poderia ser aplicada com duas geometrias distintas, sem implicar alterações na cadeia de montagem. E assim se fez, relata a marca.

O vice-presidente de Recursos Humanos da Seat, Xavier Ros, fala numa “nova mentalidade”:

Os empregados não só sentem que as suas opiniões são importantes, como também se consciencializam para a necessidade de participarem na melhoria do meio ambiente e na evolução dos processos.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A prová-lo, os números já deste ano, tendo sido recebidas 7.381 ideias durante os seis primeiros meses, “o que traduz uma maior participação” face a igual período de 2017.