Rádio Observador

Tinder

Tinder. Mulher marcou encontro com dezenas de homens para a mesma hora para os ver a competirem por ela

12.716

Iam preparados para ter um encontro em Nova Iorque com Natasha, uma mulher que conheceram no Tinder. Acabaram por perceber que era uma cilada. Objetivo? Competirem por ela.

“Estou prestes a contar-vos uma história épica sobre subterfúgio, namorar no século 21 e a queda da civilização humana. Isto aconteceu mesmo comigo e pode acontecer com vocês. Preparem as pipocas”, anunciou um utilizador no Twitter. Foi um entre dezenas de homens que apareceram em Nova Iorque para um encontro combinado com uma mulher no Tinder e acabaram surpreendidos por não estarem sozinhos. 

Natasha Aponte descreve-se como “atriz, modelo e cantora” e, durante o verão, falou com vários homens através da aplicação de encontros. Com uma semana de antecedência, cada homem recebeu uma mensagem individual da mulher a combinar a ida a um concerto na Union Square, no passado domingo. A surpresa? Nenhum dos pretendentes sabia que era tudo uma competição e que, no final, apenas um iria conseguir o encontro. 

“A cena foi de loucos”, disse Amir Pleasants, outro dos que caíram na armadilha, ao Independent. “Estava uma fila enorme de homens e ficámos todos ali quase sem reação”, acrescentou. De repente, Natasha chega ao local, sobe a um palco, agarra no microfone e revela a verdadeira razão para todos aqueles homens estarem ali: iriam competir pelo privilégio de a levar a sair.

O que se passou a seguir foi quase como uma cena dos Hunger Games. Os homens foram alinhados numa fila e Natasha escolheu aqueles que passariam à próxima fase. Ao mesmo tempo, tecia comentários como “não quero ninguém com menos de 1,78 metros!”. A fila foi encolhendo e os que restaram tiveram de fazer 30 flexões, correr pelo parque e fazer um discurso de um minuto onde explicavam o porquê de serem eles a ganhar o encontro.

[Veja no vídeo como Natasha rejeitou dúzias de homens que convidou para o mesmo encontro no Tinder]

No entanto, nem todos os homens que lá estavam gostaram da surpresa. Muitos foram logo embora, outros criticaram a modelo e um tentou até invadir o palco. No caso de Amir Pleasants, foi uma desilusão: “Perdi o meu tempo e o meu dinheiro a vir para aqui para ser enganado”, referiu.

Juntamente com Natasha veio uma equipa da Bliss Creative, uma companhia de marketing conhecida por fazer campanhas virais e responsável por um vídeo em 2014 que retratou 10 horas de uma mulher pelas ruas de Nova Iorque.

No final, quem foi apanhado na armadilha partilhou a experiência nas redes sociais. “Não confio em ninguém. Não confio em mais nada. A vaidade vai ser o fim da civilização humana. Não se deixem apanhar. O fim”, terminou o mesmo utilizador que decidiu contar a história toda no Twitter.

Houve quem também tivesse escapado, por pouco, de ser enganado. Um utilizador também falou com Natasha, mas não chegou a ir ao “encontro” porque não tinha a morada.

Um dos diretores da Bliss Creative utilizou o twitter para pedir que todos “parassem para ouvir o que a Natasha tem a dizer sobre o projeto do Tinder quando o vídeo sair” antes de fazer julgamentos”.

A Bliss Creative publicou esta quinta-feira o vídeo que organizou durante vários meses. “The Tinder Trap” (em português “A armadilha do Tinder”) teve como objetivo criticar as exigências e o tratamento entre os utilizadores da rede de encontro ao trazê-los para a vida real. “E se a Natasha selecionasse centenas de rapazes, convidasse todos para um encontro e os tratasse tal como nós nos temos tratado entre todos no Tinder? O que diriam as pessoas?” questionou Rob Bliss.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)