Rádio Observador

Telecomunicações

Altice garante que não vende Meo a Miguel Relvas nem a ninguém

404

"Expresso" noticiou, sem especificar fontes, que Miguel Relvas estaria em contactos para comprar a ex-PT, com outros investidores. Mas a Altice diz que não é "equacionada qualquer intenção de venda".

ANTONIO PEDRO SANTOS/EPA

Para já, “não há nada”, garantiu Miguel Relvas ao Expresso. Mas o semanário garante, na edição deste sábado, que o ex-ministro está em contactos com outros investidores para comprar a Altice Portugal, a ex-Portugal Telecom, caso o conglomerado coloque este ativo à venda. A Altice, porém, garante em comunicado que “é falso e infundado que a Altice Europe esteja a considerar vender a operação da Altice Portugal”.

“Mais uma vez, a Altice Portugal vem esclarecer que não há qualquer processo de alienação em análise. A Altice Portugal reitera que não há qualquer proposta de compra, nem é equacionada qualquer intenção de venda da operação em Portugal”. Esta é a garantia da dona da marca Meo, que no mês passado também veio desmentir uma notícia de uma publicação do setor que falava numa venda à espanhola Telefónica ou à francesa Orange (antiga France Télécom).

O Expresso não especificava fontes mas garantia que há conversas a decorrer, tendo Miguel Relvas um papel ativo num processo que também envolverá Ricardo Santos Silva, sócio de Relvas que trabalha como gestor de fundos na city londrina.

As fontes do setor ouvidas pelo Expresso dão como certa a venda da Meo, não se sabendo apenas “quando”, mas a empresa “reafirma, uma vez mais, que a Altice Portugal é e continua a ser uma
peça fulcral na sua estratégia de crescimento, já que detém alguns dos principais ativos do Grupo, como é exemplo o Data Center da Covilhã, a Altice Labs ou o Projeto de infraestruturação de Portugal com fibra ótica”.

A Altice Portugal reitera que não compreende esta situação, sobretudo por afetar gravemente, de forma infundada e sem recurso ao contraditório, a reputação da empresa.”

A Altice não só desmente a notícia, no comunicado, mas passa, também, ao ataque, visando o grupo Impresa (dono do Expresso) e aludindo à recente contratação da apresentadora Cristina Ferreira.

A Altice Portugal não pode deixar de manifestar a sua estranheza com a referência aos prejuízos quando o próprio Grupo detentor do Expresso tem vindo reiteradamente a mostrar preocupantes níveis de endividamento, apesar de, ao que tudo indica, continuar a fazer contratos milionários”.

.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)