Rádio Observador

Saúde

Demissão em bloco no Hospital de Gaia: 52 diretores e chefes de serviços saem em protesto

2.972

A ameaça já tinha cinco meses e foi concretizada esta quarta-feira. O diretor clínico e vários médicos com funções de chefia no Hospital de Gaia apresentaram a demissão.

Falta de resposta aos problemas do hospital motivaram a demissão em bloco

ESTELA SILVA/LUSA

Todos os 52 diretores e chefes de serviço do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho apresentaram esta quarta-feira a sua demissão, avança a Ordem dos Médicos. Os problemas acumularam-se nos últimos meses, e as respostas pedidas pelos diretores de serviço tardaram em chegar. Agora, cinco meses depois de terem feito a ameaça, a demissão em bloco avança como forma de protesto contra a “falta de soluções da tutela e da administração hospitalar”.

Em março, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, dirigiu-se àquele hospital e defendeu que os médicos, que se queixavam de condições indignas de trabalho e de assistência aos doentes, trabalhavam num “cenário de guerra”. No mesmo mês, a situação tornou-se ainda mais complicada quando a administração do hospital não abriu vagas para integrar todos os médicos especialistas ali formados.

O Serviço de Urgência parece um cenário de guerra com macas por todo o corredor. Quase é impossível circular. Este hospital está a definhar. As prioridades são a melhoria das infraestruturas e dotar o hospital com os recursos humanos necessários”, afirmou na altura o bastonário da Ordem dos Médicos.

Nessa visita, no final de março, após o encontro com os diretores de serviço e de departamento, o bastonário anunciou que todos eles estavam dispostos a demitir-se, caso a situação se mantivesse. Assim aconteceu. Durante a tarde desta quarta-feira, os médicos demissionários irão prestar mais declarações durante uma conferência de imprensa na Ordem dos Médicos.

Em conferência de imprensa, onde também esteve presente o bastonário da Ordem dos Médicos, o diretor clínico demissionário José Pedro Moreira da Silva reiterou que o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho é atualmente “um hospital totalmente destruído, um edifício muito antigo” e apresentou o exemplo do serviço de Urologia do hospital, cuja enfermaria “tem 16 camas e o quarto de banho fica fora do sítio onde os doentes habitam”, obrigando os utentes a “sair da enfermaria para ir ao quarto de banho”.

“Há falta de pessoal. Não só de médicos mas falta de pessoal de enfermagem e falta de pessoal auxiliar. Para dar o exemplo de um serviço, existem 20 camas para duas auxiliares. E estamos a falar de doentes acamados, doentes dependentes, que precisam de ser mudados, lavados, acompanhados ao quarto de banho e ser alimentados. Uma auxiliar para 12 ou 13 camas é muito pouco”, afirmou José Pedro Moreira da Silva.

O diretor clínico demissionário vincou que “assim é impossível continuar a trabalhar para o bom ar” da população e recordou que se trata do “terceiro maior concelho do país”.

Há mais de dois anos que a construção de um novo edifício – onde iria funcionar a urgência e os cuidados intensivos – está congelada devido à falta de financiamento. No início do mês de julho, o presidente do Conselho de Administração do hospital de Gaia anunciou que a segunda fase das obras iria começar. A construção do novo edifício está avaliada em 16 milhões de euros e as obras têm um prazo de 350 dias para estar concluídas. Entretanto, já em agosto, o Governo autorizou o arranque da terceira fase das obras.

De recordar que, recentemente, também os diretores de serviço dos hospitais São José, em Lisboa, e de Tondela-Viseu apresentaram as respetivas demissões devido à falta de condições. Em agosto, Miguel Guimarães dizia em entrevista ao jornal Público que era expectável que o mesmo viesse a acontecer em Gaia e em Vila Real.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)