Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Taxa Robles. BE acusa Costa e César de fazerem “jogo político”

BE convocou conferência de imprensa à pressa sobre "taxa Robles" para responder a Costa e César. Fala em "jogo político" que visa "intoxicar negociações do Orçamento".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Bloco de Esquerda veio esta quarta-feira dizer que o primeiro-ministro e o líder parlamentar do PS fizeram “declarações factualmente erradas” sobre as negociações com o partido sobre a já chamada taxa Robles. Numa conferência de imprensa marcada à última hora, o líder parlamentar do BE Pedro Filipe Soares disse querer “terminar o enredo de equívocos” e “evitar que o jogo político intoxique as negociações do Orçamento de 2019”.

Em causa estão as afirmações de António Costa e de Carlos César, ambas feitas na terça-feira, sobre a inconsistência da proposta do Bloco de Esquerda. Costa disse mesmo que “foi feita à pressa” e César, ontem à noite na SIC Notícias, afirmou que “foi colocada na última reunião [com o Bloco] de sexta-feira onde esteve não o ministro das Finanças mas o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e nessa reunião não houve nenhum compromisso da parte do Governo”. Declarações que irritaram o Bloco de Esquerda e desmentiam a líder Catarina Martins — e que o BE veio agora rebater sem, no entanto, admitir que esta polémica possa ter consequências na negociação do próximo Orçamento. 

No dia anterior, Catarina Martins tinha admitido que Costa poderia não conhecer a proposta: “Quero acreditar que o senhor primeiro-ministro, que acompanha muito dossiês, não terá ainda falado com o senhor ministro das Finanças sobre esta matéria. Tenho de concluir que eventualmente não estava informado mas acho que não deve ser ultravalorizado”. Ainda assim, o partido inclui o primeiro-ministro quando atira a acusação de “jogo político” por ter dito que a medida foi “feita à pressa”.

Esta tarde, em entrevista à Lusa (dada antes da conferência de imprensa do BE), Carlos César insistiu na sua posição, saindo também em defesa de Costa, ao dizer que “essa proposta nunca foi apresentada. Evidentemente que qualquer pessoa pode ter falado com qualquer outra pessoa, mas toda esta negociação tem uma formalidade e, portanto, aquilo que o senhor primeiro-ministro disse é a verdade”.

O Observador já tinha confirmado junto de fontes do Governo (como pode ler aqui) que a proposta tinha sido apresentada ao Governo em maio e negociada com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais mais recentemente sem que, no entanto, se chegasse a uma conclusão, tanto sobre o desenho como sobre a aceitação da mesma por parte do Executivo. César começou por dizer, na SIC, que a medida foi “colocada na última reunião” do BE com o Governo. Esta quinta-feira disse que “nunca foi proposta”. Contactado pelo Observador, o líder parlamentar do PS não esteve disponível para prestar mais declarações sobre o assunto. O jornal tentou também confrontar o gabinete do primeiro-ministro com as acusações do parceiro parlamentar do Governo, mas não teve sucesso.

Na conferência de imprensa, Pedro Filipe Soares afirmou perante os jornalistas que “foi aqui nesta sala [de conferências de imprensa da Assembleia da República] que a comunicação social foi informada das negociações em curso, no dia 25 de julho”. Dias antes, garante Pedro Filipe Soares, o BE tinha estado reunido com o Governo e falou nesta proposta. Na reunião, a 19 de julho, estava o ministro das Finanças, os seus secretários de Estado (exceto a da Administração Pública) e o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, enumerou o líder parlamentar do BE.

Porque é verdade, sei que nenhum deles desmentirá perante as câmaras de televisão que esta reunião se realizou e que este tema foi debatido”.

O Observador contactou o Ministério das Finanças e a Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares sobre a existência e o conteúdo desta reunião, mas ambos os gabinetes mantêm como posição oficial que não falam sobre reuniões internas no âmbito das negociações do Orçamento.

Na tal conferência de imprensa de 25 de julho recordada por Pedro Filipe Soares, o BE disse que já tinha pedido ao Governo “dados sobre as diversas formas de transferência de imóveis e formas de concentração de imobiliário, para poder, também em conjunto, apresentar propostas nesse sentido no próximo Orçamento do Estado”.

Voltou a reunir-se agora, no pós-férias, com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, na última sexta-feira, onde a matéria foi “aprofundada”, tendo a reunião como “ponto específico tratar esta proposta”, garantiu agora Pedro Filipe Soares. “Não houve nenhuma aceitação de nenhuma das partes, mas havia disponibilidade de trabalho nesta matéria“, disse Pedro Filipe Soares aos jornalistas. E informou o Governo da “intenção de apresentar publicamente a sua proposta”, garantiu.

O caso é visto com gravidade pelo partido, que marcou uma conferência de imprensa com 45 minutos de antecedência para falar novamento do assunto, desta vez no Parlamento. E não foi brando nas palavras ao acusar Costa e César de fazerem “jogo político”. Mas, apesar da tensão, o Bloco mantém-se à mesa das negociações do Orçamento com o Governo: “O Bloco encerra este dossiê e retoma o processo normal de negociação do Orçamento do Estado”. “Estamos tão empenhados como sempre de chegar a um acordo”, garantiu o líder do Bloco de Esquerda.

Artigo atualizado às 19h50 com declarações de Carlos César numa enrevista à Lusa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
799

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)