Governo

Da apreensão aos pedidos de demissão: os estados de alma que suscita Azeredo Lopes

A continuidade de Azeredo Lopes no Governo tem sido posta em causa pela direita e tem gerado apreensão à esquerda. Enquanto o caso de Tancos se desenrola, António Costa vai segurando o ministro.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Depois de o Ministro da Defesa ter estado ausente de todas as cerimónias do 5 de outubro – que incluíram demonstrações militares dos três ramos das Forças Armadas -, Azeredo Lopes voltou a aparecer em cerimónias públicas e nas televisões portuguesas. E fê-lo acompanhado por uma figura de peso: o primeiro-ministro. Ou terá sido ao contrário? Certo é que o sinal dado esta segunda-feira por António Costa, durante a visita à base aérea da Força Aérea em Monte Real, foi importante. A confiança no seu ministro parece estar sólida: “O Governo é uma equipa e o Ministro da Defesa é um ativo importante“, afirmou Costa aos jornalistas, tentando assim arrumar a questão de uma vez por todas. Mas a continuidade de Azeredo não tem sido um assunto pacífico.

No Grupo Parlamentar do PS ninguém quer fugir às diretrizes que o primeiro-ministro vai traçando. Mesmo que, ao Observador, várias fontes confirmem que existe “alguma apreensão” quanto ao desenrolar da questão, ninguém questiona a decisão de manter o ministro em funções. “Não há nada que justifique a sua demissão”, afirma um deputado. “Todas as situações que põem em causa a imagem do Governo causam algum desconforto, mas até nas reuniões da bancada tem havido muita solidariedade com o ministro e com o Governo“, completa outro.

Quando foi questionado sobre as suspeitas que sobre ele recaem, Azeredo Lopes desmentiu-as em toda a linha. Até que haja novos factos que possam comprometer o ministro, os deputados socialistas parecem estar dispostos a defendê-lo e nem nos corredores se atrevem a questioná-lo, “ao contrário do que aconteceu, por exemplo, com Constança Urbano de Sousa na altura dos incêndios”, conta ao Observador um terceiro deputado.

Uma tática argumentativa inicialmente ensaiada por Carlos César. O presidente do PS defendeu, na semana passada, o ministro e a sua continuidade no Executivo. Deixando, claro, uma ressalva para o caso de as conclusões processo virem a provar o envolvimento de Azeredo Lopes.

A ausência do ministro nas cerimónias do 5 de outubro causou estranheza. “Também tem direito a gozar o feriado”, ironizou António Costa no próprio dia. O facto de ter surgido ao lado do Ministro da Defesa esta segunda-feira esvaziou o balão de conspirações que se tinha formado desde então.

A voz mais crítica dentro do PS talvez tenha sido a da eurodeputada Ana Gomes, que, apesar de ter assumido que acredita na versão dos factos apresentada pelo governante, considerou que o ministro tinha sofrido um duro golpe na sua autoridade. “Se não teve conhecimento de nada, estava a ser indrominado por quem lhe estava muito próximo e por quem supostamente devia ser-lhe leal. Portanto há aqui um problema grave de autoridade”, enfatizou a eurodeputada este domingo na Sic Notícias.

Os pedidos de demissão – e os que não chegam a sê-lo

O primeiro partido a pedir a cabeça do ministro foi o CDS, que desde que se soube do roubo de armas dos paióis de Tancos já exigiu a sua demissão por diversas vezes. E voltou a fazê-lo na semana passada. Depois de o Expresso ter noticiado que Azeredo Lopes tinha sido acusado pelo ex-porta-voz da PJM de estar a par da alegada encenação do reaparecimento das armas furtadas, os centristas voltaram a apontar o dedo ao governante. E remeteram mais investigações para a Comissão de Inquérito que querem criar sobre o caso. Não foram o único partido a seguir esta linha de pensamento.

O cerco em torno do Ministro da Defesa tem vindo a ganhar força e, por oposição, o seu raio de ação tem vindo a ficar cada vez mais reduzido. No domingo, no seu comentário habitual na SIC, Marques Mendes defendeu que o ministro da Defesa devia colocar o seu lugar à disposição porque mais tarde ou mais cedo vai acabar por ser chamado à investigação de Tancos, como arguido ou como testemunha: “Azeredo Lopes devia sair ou ser convidado a sair”, considerou o comentador político, porque é um “ministro sob suspeita” e, “um ministro sob suspeita é um ministro diminuído na sua autoridade, condicionado no seu poder e altamente fragilizado”.

Uma narrativa que entronca com aquele que tem sido o discurso do PSD. Rui Rio, primeiro à Lusa e depois na entrevista de quinta-feira à RTP, disse que não entendia como é que, “nestas condições, um primeiro-ministro pode manter o ministro em funções”. Apesar de afirmar que por princípio não pede demissões, o líder social-democrata deixou bem clara a sua posição e a do partido. Com um senão: “a não ser que seja tudo redondamente mentira e provado que é redondamente mentira”.

Mas António Costa tem vindo sempre a terreiro para reafirmar a confiança em Azeredo Lopes de cada vez que a sua autoridade é posta em causa. Em declarações esta segunda-feira aos jornalistas, o primeiro-ministro respondeu diretamente à análise de Marques Mendes. “Quando Marques Mendes for primeiro-ministro ele decidirá quem são os membros do Governo”. Até lá é Costa quem decide.

Já PCP e Bloco de Esquerda optam por uma estratégia cautelosa. Tanto Jerónimo de Sousa como Pedro Filipe Soares, quando questionados sobre o caso e sobre as suspeitas em torno do ministro, afirmaram que vão esperar pela resolução do caso na Justiça antes de tomarem uma posição formal. Uma espécie de pacto de não-agressão que só será quebrado caso Azeredo Lopes seja dado como culpado ou cúmplice no processo.

Também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reiterou na sexta-feira que “é preciso respeitar o apuramento da verdade”, optando pela contenção e pedindo celeridade na resolução do caso.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques
225

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)