25 de Abril

Morreu o capitão de Abril Diamantino Gertrudes da Silva aos 75 anos

O coronel Vasco Lourenço lembra que Diamantino Gertrudes da Silva “foi o mais antigo dos quatro capitães que em Viseu, no RI14, desenvolveram grande atividade no Movimento dos Capitães”.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O coronel Diamantino Gertrudes da Silva morreu esta quarta-feira aos 75 anos, informou a Associação 25 de Abril, destacando a atividade que desenvolveu no movimento dos capitães e nas operações militares da revolução de 1974.

Num comunicado assinado pelo presidente da Associação 25 de Abril, o coronel Vasco Lourenço escreve que Diamantino Gertrudes da Silva foi um “militar de Abril de todas as horas”. Vasco Lourenço lembra que “foi o mais antigo dos quatro capitães que em Viseu, no RI14, desenvolveram grande atividade no Movimento dos Capitães”, atividade que “alargaram a toda a zona centro, como dinamizadores da conspiração”.

“As suas militâncias envolveram então oficiais de Lamego, Guarda, Coimbra, Aveiro, para só referir as mais significativas”, acrescenta Vasco Lourenço.

Nas operações militares do 25 de Abril, Gertrudes da Silva comandou a companhia que saiu de Viseu, juntamente com as forças oriundas de Aveiro e Figueira da Foz, tendo um “papel determinante em Peniche”, onde controlou o Forte, que então era uma prisão com presos políticos. Além do seu papel na revolução de 1974, que derrubou a ditadura, Gertrudes da Silva escreveu vários livros.

Também José Eduardo Ferreira, presidente da Câmara de Moimenta da Beira, concelho de onde Gertrudes da Silva era natural, já endereçou condolências à família referindo em comunicado a “grandeza e nobreza de vida e de espírito” do coronel.

A Associação 25 de Abril informa ainda que o velório será esta quarta-feira na Igreja Nova, em Viseu, e o funeral realiza-se às 16 horas no cemitério de Vila Nova de Paiva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

25 de Abril: dois conceitos de democracia

João Carlos Espada

Os revolucionários relutantes anglo-americanos de 1688/1776 morreram na cama; os revolucionários ardentes franceses de 1789 mataram-se uns aos outros. As duas opções confrontaram-se após 25 de Abril.

25 de Abril

O triunfo das gaivotas

Helena Matos
990

A gaivota voava, voava… Em pouco tempo as gaivotas controlavam as demais aves. De símbolo da liberdade a gaivota passou a parasita. Uma praga, portanto. Um símbolo da oligarquia do regime.

Desigualdade

What’s right na desigualdade? /premium

Maria João Marques

O ponto é este: as pessoas só aprovam a globalização se sentirem que ganham alguma coisa com isso e, mesmo ganhando, se não veem outros ganharem desproporcionadamente mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)