Obras Públicas

Obras de 1,2 milhões de euros vão requalificar histórico Palácio de D. Manuel em Évora

As obras de requalificação do Palácio de D. Manuel, em Évora, resultam de um investimento de 1,2 milhões de euros, para transformar o edifício num centro interpretativo e de acolhimento a turistas.

NUNO VEIGA/LUSA

As obras de requalificação do histórico Palácio de D. Manuel, em Évora, já arrancaram, num investimento de 1,2 milhões de euros, para transformar o edifício num centro interpretativo e de acolhimento a turistas, revelou esta segunda-feira a câmara.

“As obras de requalificação do Palácio de D. Manuel já estão em curso” e têm um prazo de execução de 600 dias, explicou o município, em comunicado.

A empreitada, contratualizada por mais de 1,2 milhões de euros, é financiada a 85% por fundos comunitários, ao abrigo do Programa Operacional Alentejo 2020, sendo os restantes 15% suportados pela autarquia.

O projeto é assinado pelos arquitetos Victor Mestre, da Universidade de Coimbra, e Sofia Aleixo, da Universidade de Évora, e a intervenção, assinalou o município, pretende “dotar todo o edifício de modernas condições de segurança e funcionalidade”.

“Este icónico monumento”, que já completou cinco séculos de existência, “vai beneficiar de obras de conservação e consolidação estrutural que, entre outros, incluem trabalhos de estabilidade na cobertura”, indicou a câmara.

A intervenção vai também tornar “mais funcional” a acessibilidade ao edifício, com a instalação de “um elevador adaptado a visitantes com mobilidade reduzida” e a criação de “um novo acesso a partir da Praça 1.º de Maio”.

A adaptação das instalações sanitárias ou a renovação das condições térmicas e acústicas são outras das valências objeto de requalificação, indicou o município, realçando, contudo, que o projeto não envolve alterações no exterior do palácio. “Não estão previstas modificações na imagem exterior, pelo que o Palácio de D. Manuel irá conservar a linha estética que o caracteriza”, afiançou.

A requalificação deste monumento está integrada no projeto de criação do “Centro de Acolhimento Turístico e Interpretativo de Évora e Alentejo Central”, lembrou a Câmara de Évora. Este projeto, continuou, irá envolver, “num futuro próximo, toda a Praça 1.º de Maio, com adaptação dos edifícios do Mercado e do Museu de Artesanato”.

O objetivo passa por criar “estruturas que possam responder ao nível de exigência dos fluxos turísticos, nomeadamente no que se refere ao apoio geral, logística e informação qualificada, não apenas sobre a cidade de Évora, mas também” sobre “todo o Alentejo Central”, referiu.

Em julho, o presidente da câmara, Carlos Pinto de Sá, explicou à agência Lusa que, após as obras de requalificação, o monumento vai “continuar a receber conferências e reuniões”, mas passará a ter “um centro interpretativo da cidade” e a servir como “primeira porta de receção ao turista”.

Na altura, o autarca referiu ainda que a requalificação do palácio resultava de uma parceria do município com a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC), candidatada a apoios comunitários.

A construção do Palácio de D. Manuel, atualmente com vocação cultural, terá arrancado no século XIV, data em que terá começado a ser residência e Paço Real. O edifício enquadrava-se, então, num complexo único que englobava um convento, a Igreja de S. Francisco e o Paço Real.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)