Rádio Observador

República Centro Africana

Centenas protestam contra destituição de presidente do parlamento da República Centro Africana

Cerca de quatrocentas pessoas manifestaram-se na capital da República Centro-Africana contra uma petição de deputados que visa a destituição do presidente do parlamento, Karim Meckassoua.

DANIEL DAL ZENNARO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de quatrocentas pessoas manifestaram-se esta terça-feira na capital da República Centro-Africana (RCA), Bangui, contra uma petição de deputados que visa a destituição do presidente do parlamento, Karim Meckassoua, testemunhou a AFP.

“Meckassoua deve continuar!”, gritavam os manifestantes, entre os quais numerosos habitantes do PK5, o bairro onde está a maioria dos muçulmanos em Bangui.

A manifestação partiu do PK5 até ao quartel-general da MINUSCA [Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana].

Esta terça-feira, a petição já tinha sido assinada por 95 dos 140 deputados. Meckassoua é deputado pelo terceiro círculo de Bangui, que inclui o PK5.

Segundo o regulamento do parlamento, depois da receção da petição, deve ser feita uma votação sobre a destituição, que será aprovada se recolher dois terços dos votos, o que significa 93. Várias fontes indicam o dia de sexta-feira como o mais provável para a votação ser feita.

O presidente da República Centro-Africana, Faustin-Archange Touadéra, é cristão e Meckassoua muçulmano, pelo que a eleição deste para a presidência do parlamento, em 2016, foi lida como um sinal de reconciliação, depois dos confrontos entre milícias — Seleka e antiBalaka –, que usaram o fator religioso para se legitimarem.

Mas, neste país onde a influência política permanece comunitária em parte, as relações entre os dois homens nunca foram boas.

Em 2017, circularam rumores de golpes de Estado, com próximos de Touadéra a acusarem publicamente Meckassoua.

Em março, um próximo de Touadéra foi eleito vice-presidente do parlamento: uma vontade, segundo os observadores na altura, de minar a autoridade de Meckassoua.

A petição e a tentativa de destituir Meckassoua parece serem dirigidas pela presidência centro-africana, que desejaria colocar um dos seus apoiantes a dirigir o parlamento, segundo vários deputados questionados pela AFP.

Mathurin Dimbélet Makoé, o segundo vice-presidente do parlamento, na sexta-feira, em declarações à imprensa, acusou Meckassoua de ter “confiscado dossiers essenciais para os deputados” e evocou uma “opacidade na gestão financeira” da Assembleia.

Em 01 de outubro, durante o reinício dos trabalhos parlamentares, Karim Meckassoua fustigou as tentativas em curso para o destituir: “Isso seria um golpe, uma tentativa de desestabilização de uma instituição relevante e uma violação da Constituição”.

E avisou: “Não me vou deixar conduzir ao altar dos sacrifícios sem lutar”.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O governo do Presidente Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território.

O resto é dividido por mais de 15 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Portugal está presente no país desde o início de 2017, no quadro da MINUSCA.

No início de setembro, o major-general do Exército Marco Serronha assumiu o cargo de 2.º comandante da MINUSCA.

Aquela que já é a 4.ª Força Nacional Destacada Conjunta no país é composta por cerca de 160 militares e iniciou a missão em 05 de setembro.

Portugal também integra a Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana (EUMT-RCA), comandada pelo brigadeiro-general Hermínio Teodoro Maio.

A EUTM-RCA, que está empenhada na reconstrução das forças armadas do país, tem 45 militares portugueses, entre os 170 de 11 nacionalidades que a compõem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)