Victoria's Secret

Portuguesa Isilda Moreira estreia-se quinta-feira como modelo da Victoria’s Secret, junto a Sara Sampaio

539

Isilda Moreira estreia-se esta quinta-feira no desfile anual da marca norte-americana de lingerie Victoria's Secret, em Nova Iorque, e no qual participa também outra portuguesa, Sara Sampaio.

Isilda Moreira é a segunda portuguesa a desfilar para a Victoria's Secret, depois de Sara Sampaio

Bernardo Baragaño

Autor
  • Agência Lusa

A manequim portuguesa Isilda Moreira estreia-se na quinta-feira no desfile anual da marca norte-americana de lingerie Victoria’s Secret, que decorrerá em Nova Iorque, e no qual participa também outra portuguesa, Sara Sampaio.

Aos 20 anos, Isilda Moreira, filha de mãe cabo-verdiana e pai guineense, torna-se na segunda portuguesa a participar no Victoria’s Secret Fashion Show (desfile secreto da Victoria’s Secret), que tem transmissão televisiva garantida em mais de 190 países, a 2 de dezembro.

A entrada para o grupo das 60 manequins escolhidas para o desfile deste ano era algo com que Isilda Moreira sonhava, mas que não planeou, como contou à Lusa em outubro, nos bastidores da 51.ª edição da ModaLisboa.

Depois de ter pisado as passerelles das semanas da moda de Paris, Milão e Londres, Isilda estava, em agosto deste ano, “pela primeira vez em Nova Iorque”. “Não me passava pela cabeça sequer fazer o casting [para o desfile da marca de lingerie], quanto mais passar. Fui lá só para fazer a semana da moda”, partilhou com a Lusa.

Já que lá estava, a agência que a representa desafiou-a a tentar o casting para o desfile que “adorava fazer”, e que acompanha desde os 14 anos, altura em que começou a trabalhar em moda. “Fiz e passei ao segundo [casting]. No segundo pensei que [chegar até ali] já era uma vitória e que não iria passar. Não tinha estado um ano inteiro a preparar-me, como as outras raparigas”, recordou. Quando soube que era uma das 60 escolhidas, “não queria acreditar”.

Isilda Moreira na 49ª edição da ModaLisboa, em outubro de 2017 © João Porfírio/Observador

Isilda Moreira nasceu em Lisboa, mas foi descoberta num centro comercial em Londres, onde estava de férias, no verão de 2012. “Um homem veio contra mim e perguntou-me se eu era manequim. Deu-me o cartão da agência e fui lá”, recordou. Como “só se pode começar carreira internacional com 16 anos”, na agência disseram-lhe que voltasse para Portugal, para “fazer trabalhos” e se “preparar”. E assim foi. “Agenciei-me e em outubro [desse ano] e fiz logo a ModaLisboa”, referiu.

Até terminar o 12.º ano, foi conciliando a moda com os estudos. Depois parou, “para poder viajar” e focar-se no trabalho como manequim. “Um dia mais tarde gostaria de tirar um curso de Gestão, para poder gerir a minha própria empresa. Mas não sei. Vamos ver como vai correr tudo agora, não sei o dia de amanhã”, afirmou.

Isilda Moreira é uma das newcomers (recém-chegadas) do desfile, que partilham a passerelle com os chamados anjos, grupo do qual faz parte Sara Sampaio, que, em 2013, se tornou na primeira portuguesa a participar no desfile anual da marca norte-americana. Um ano antes, em 2012, a luso-angolana Sharam Diniz tinha sido uma das 30 modelos escolhidas para o desfile.

O desfile da Victoria’s Secret realiza-se anualmente desde 1995 e, desde então, só houve quatro desfiles fora dos Estados Unidos: em Cannes (França), Londres, Paris e Xangai (China). Esta será a 16.ª vez que o desfile acontece em Nova Iorque.

A música ao vivo é uma das características do secret show. Em anos anteriores já atuaram, nos desfiles, músicos e bandas como The Weeknd, Bruno Mars, Maroon 5, Rhianna, Justin Bieber e Lady Gaga. Este ano os escolhidos foram Halsey, The Chainsmokers, Shawn Mendes, Rita Ora, Bebe Rexha, Kelsea Ballerini e The Struts.

Todos os anos, é mostrado no desfile um soutien feito com pedras preciosas. Este ano, cabe à modelo sueca Elsa Hosk a responsabilidade de vestir a peça, feita com pedras preciosas, avaliada em cerca de 900 mil euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)