Panteão Nacional

Exposição no Panteão Nacional recorda Sidónio Pais no centenário da sua morte

O Panteão Nacional, em Lisboa, inaugura uma exposição, que inclui objetos apresentados pela primeira vez ao grande público, evocativa do Presidente da República Sidónio Pais, assassinado há cem anos.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Panteão Nacional, em Lisboa, inaugura na terça-feira uma exposição, que inclui objetos apresentados pela primeira vez ao grande público, evocativa do Presidente da República Sidónio Pais, assassinado há cem anos.

“Sidónio Pais: retrato do país no tempo da Grande Guerra” é o título da exposição que reúne “objetos extraordinários, não só relativamente ao Presidente, como à época – e estamos a falar de uma época conturbada, com o final da I Grande Guerra e as aparições em Fátima”, disse, à agência Lusa, a diretora do Panteão Nacional, Isabel de Melo.

Referindo-se a Sidónio Pais, Isabel de Melo recordou que “foi o primeiro [presidente] a preocupar-se com a sua imagem pública, o marketing, a forma como se deixava fotografar – só de uma certa maneira -, e da sua promoção política”. “Deve-se a Sidónio Pais a criação do Serviço de Audiovisuais do Exército e, na exposição, temos filmes da participação portuguesa na Grande Guerra e das várias visitas presidenciais que fez, assim como do seu funeral”, disse.

A exposição reúne vários objetos pessoais, “nomeadamente uma magnífica espada, que ele usava sempre, uns binóculos, assim como objetos ligados à arte de montar, pois fazia gosto em cavalgar e apresentar-se montado num cavalo branco”, contou a diretora do Panteão Nacional, referindo “o apoio fundamental da família” na concretização da mostra.

Entre os objetos pessoais, Isabel de Melo destacou um cofre com a imagem de Sidónio Pais, um colar de pérolas que foi oferecido, quando do casamento de uma das suas filhas, “pelas mulheres portuguesas, acompanhado por uma lista com os nomes e os respetivos donativos para a aquisição desse presente”. A mostra, que estará patente até março próximo, inclui ainda vários objetos relativos à atividade universitária de Sidónio Pais, nomeadamente publicações suas.

Sidónio Pais foi lente de Matemática na Universidade de Coimbra. Paralelamente, “no sentido de contextualizar a época”, a mostra inclui vários objetos de arte, nomeadamente esculturas de Teixeira Lopes, Francisco dos Santos e Simões de Almeida, entre outros, e pinturas de Amadeo de Souza-Cardoso, Abel Salazar e Eduardo Viana, uma “custódia magnífica em prata lavrada do Santuário de Fátima, oferta da Quinta da Regaleira [em Sintra], de autoria do italiano Luiggi Manini”, além de várias fotografias.

“A exposição aborda não só a figura do Presidente como a época em que viveu”, reforçou a responsável. Inclui também a descrição “de um ambiente quase misterioso e fantástico”, pelo jornalista Augusto de Castro, de um encontro com o Presidente Sidónio, que, no fim do mandato, se isolou no Palácio da Pena, que “quase funcionou como uma masmorra”.

Augusto de Castro narra a forma como, subindo a rampa da Pena, iluminada por archotes empunhados por soldados, estes transmitiam sinais autorizando a sua passagem pelas sucessivas barreiras de segurança, até encontrar o Presidente no meio dos seus papéis oficiais, isolado e afirmando-se muito só.

Sidónio Pais liderou uma insurreição contra o Governo liderado por Afonso Costa e, a 11 de dezembro de 1917, tomou posse como Presidente do Ministério (atual primeiro-ministro), acumulando as pastas ministeriais da Guerra e a dos Negócios Estrangeiros. A 27 de dezembro, assumiu as funções de Presidente da República, até nova eleição, em aberta rutura com a Constituição da República, que ajudara a redigir.

Em março de 1918, Sidónio Pais, que assumiu um poder presidencial absoluto, estabeleceu o sufrágio direto e universal para a eleição do Presidente da República e, em abril desse ano, submeteu-se ao escrutínio popular, tendo sido eleito, exercendo as funções de chefe de Estado de maio desse ano até ao seu assassinato, aos 46 anos, em dezembro de 1918.

Sidónio Pais encontra-se sepultado no Panteão Nacional desde a abertura do monumento, em 1966. “Curiosamente, desde essa data, é dos poucos túmulos onde nunca faltam flores frescas, além dos de Amália Rodrigues [trasladada em 2001] e de Eusébio [trasladado em 2015]”, disse Isabel de Melo à Lusa. “Continua a haver umas manifestações de alguém que vem colocar um ramo de flores, é constante”, reforçou a diretora do Panteão Nacional.

Em 1966, além de Sidónio Pais, foram também trasladados para o Panteão Nacional, os presidentes Teófilo Braga e Óscar Carmona, e os escritores João de Deus, Almeida Garrett e Guerra Junqueiro, que se encontravam no Mosteiro dos Jerónimos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panteão Nacional

O Panteão não é para todos? /premium

Paulo de Almeida Sande

Não, o Panteão não pode ser para todos. Primeiro porque não caberíamos lá (mas isso resolve-se). E porque se todos fossemos para o Panteão é como se ninguém fosse para o Panteão.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)