Medicamentos

Infarmed aconselha cuidados no uso de medicamentos com metamizol como o Nolotil

1.720

O Infarmed aconselha cuidados no uso de medicamentos para as dores contendo metamizol, como o Nolotil. Em Portugal há 11 casos de reações adversas ao medicamento. Morreram 10 pessoas em Espanha.

Observador

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) aconselha cuidados especiais no uso de medicamentos para as dores contendo metamizol, como o Nolotil, porque podem ter efeitos secundários graves.

Esta recomendação do Infarmed surge na sequência de um alerta da Autoridade para o Medicamento Espanhola para a utilização de medicamentos com metamizol, na sequência da morte de 10 britânicos que compraram o medicamento em Espanha.

Em outubro, a Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitários (AEMPS) atualizou a ficha técnica do metamizol para alertar para o risco de efeitos adversos como a agranulocitose (doença aguda do sangue caracterizada pela falta ou acentuada redução de glóbulos brancos).

De acordo com o comunicado publicado pelo Infarmed na página de internet, “o metamizol é um medicamento utilizado para o tratamento da dor e febre há cerca de 40 anos” que entra na composição de medicamentos como “Nolotil, Dolocalma e Metamizol Cinfa”.

Segundo o Infarmed, “a utilização de medicamentos contendo esta substância pode causar uma reação adversa — a agranulocitose — que, apesar de ser grave, é muito rara”: “Em Portugal, foram notificados ao sistema de farmacovigilância, entre 2008 e 2018, um total de 11 casos de agranulocitose potencialmente associados à utilização de metamizol, com uma frequência de 1 a 2 casos por ano (o que se encontra dentro da frequência expectável de uma reação muito rara)”.

Para evitar essas reações, o Infarmed aconselha a utilização ” restrita a um período temporal curto” no máximo de sete dias. Se a utilização for mais prolongada do que essa, é aconselhável fazer monitorização dos valores do homograma, um exame que avalia e faz uma contagem das células sanguíneas de um paciente.

O Infarmed acrescenta que “estes medicamentos não devem ser utilizados em doentes com reações hematológicas prévias ao metamizol, em tratamento com imunossupressores ou outros medicamentos que possam causar agranulocitos”: “Deve ser tida particular atenção à prescrição destes medicamentos em doentes idosos”, alerta.

Apesar deste alerta, o Infarmed avisa que “os doentes a quem foi prescrito metamizol não devem interromper o tratamento”: “Apenas será necessário consultar imediatamente o seu médico, caso surjam sinais e sintomas de discrasia sanguínea, tais como mal-estar geral, infeção, febre persistente, hematomas, hemorragias ou palidez”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)