O Gabinete de Segurança das Comunicações do Governo da Nova Zelândia proibiram a empresa de telecomunicações Spark de usar o equipamento Huawei no desenvolvimento da rede 5G, justificando a decisão pelo “risco significativo de segurança”.

A decisão surge depois de uma proibição semelhante ter ocorrido na Austrália, onde a gigante de telecomunicações chinesa foi impedida em agosto de lançar a rede 5G também devido a preocupações relacionadas com a segurança.

A Spark indicou estar dececionada com a decisão, mas a empresa sublinhou esta quarta-feira em comunicado que continua confiante de que ainda pode lançar a sua rede 5G até julho de 2020.

Citada pelo The New York Times, a Huawei garante ser uma empresa privada, não é controlada por Pequim. O mesmo jornal esclarece que, recentemente, a Nova Zelândia tem lidado com escândalos relacionados com influência chinesa. Apesar das preocupações, o país tem mantido uma relação diplomática com a China, considerada o maior parceiro comercial da Nova Zelândia.

A Huawei sofreu um revés no mercado dos Estados Unidos em 2012, quando um relatório do Congresso norte-americano alertou as empresas de telecomunicações a não comprarem os seus equipamentos, alegando riscos de segurança.