Prisões

Primeiro dia de greve dos guardas prisionais com adesão a rondar 80%

A greve nacional que se prolonga até terça-feira foi marcada em protesto contra o novo horário de trabalho e o atraso no descongelamento dos escalões, entre outras reivindicações.

O universo de guardas prisionais ronda os 4350 para uma população prisional perto dos 13 mil reclusos

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A adesão dos guardas prisionais à greve nacional, que se iniciou este sábado e se prolonga até terça-feira, foi de cerca de 80%, segundo dados do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP), que convocou o protesto.

A greve, iniciada às 00h00 deste sábado, afetou os três turnos de serviço dos guardas prisionais (00h00 às 08h00, 08h00 às 16h00 e 16h00 às 24h00) em diversas prisões, tendo atingido uma adesão máxima (100%) no Estabelecimento Prisional (EP) de Guimarães, EP de Angra do Heroísmo (Açores) e EP da PJ Porto.

EP Braga (adesão de 94,70%), EP Caxias (94,80%), EP Covilhã (95,50%), EP Faro (91%), EP Guarda (98%), EP Leiria para reclusos jovens (97,50%), EP Lisboa (98,80%), EP Montijo (92,80%), EP Paços de Ferreira (98,20%), EP Sintra (91,30%), EP Santa Cruz do Bispo/masculinos (91,10%), EP Torres Novas (93,30%), EP Vale de Judeus (94%) e EP Viana do Castelo (94,70%) foram cadeias que registaram uma adesão superior a 89%, indicam dados do sindicato. As adesões mais baixas ocorreram nos Estabelecimentos Prisionais de Ponta Delgada (34,60%), Setúbal (40%) e Chaves (41,20%).

A greve foi marcada em protesto contra o novo horário de trabalho e o atraso no descongelamento dos escalões, entre outras reivindicações. Apesar de a greve abranger as 24 horas diárias em cada EP, durante este protesto os guardas prisionais comprometeram-se a assegurar as diligências relacionadas com a deslocação de reclusos aos hospitais e aos tribunais, quando isso for necessário.

Ao nível do funcionamento interno das cadeias, disse à Lusa na sexta-feira o presidente do SNCGP, Jorge Alves, a greve provocará o cancelamento do trabalho dos reclusos (com exceção do trabalho efetuado para empresas), pelo que, em alternativa, ficarão na cela ou no recreio durante esse horário. Alimentação e medicação dos reclusos, sendo necessidades básicas, são também asseguradas pelos guardas durante a greve de quatro dias, mas os reclusos terão eventualmente as duas visitas semanais, com a duração de uma hora, reduzidas a apenas uma visita semanal.

Além de contestar o horário de trabalho e a demora no descongelamento dos escalões, o sindicato reivindica o pagamento do suplemento de turno e a criação de categorias apropriadas, ou seja, de guarda-coordenador e chefe-coordenador. O universo de guardas prisionais ronda os 4350 para uma população prisional perto dos 13 mil reclusos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Advogados

Falar de Justiça para totós

Rui Costa Pereira

Uma sociedade que permite a quem acusa e julga informar que um cidadão é acusado ou condenado, tem também de permitir com total liberdade a quem o defende informar sobre o possível erro dessa decisão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)