Rádio Observador

Exploração Espacial

NASA já chegou a Bennu, o asteroide que pode vir a colidir com a Terra no próximo século

429

OSIRIS-Rex chegou a Bennu com sucesso. É a primeira vez que recolhemos amostras de um asteróide e as trazemos para a Terra. Vamos encontrar a origem da vida? Ou evitar uma colisão catastrófica?

NASA JPL

Doze pequenos pacotes de açúcar. Quando a sonda OSIRIS-Rex, uma missão espacial da NASA, começar a explorar o asteroide 101955 Bennu, deve passar dois anos a recolher tantas amostras de rochas e poeiras como a quantidade de açúcar presente em 12 pacotes para adoçar o café. São 60 gramas. E podem ser as suficientes para descobrir a origem da vida ou até tentar evitar que um asteroide — incluindo o próprio Bennu — venha a colidir com a Terra durante o próximo século. OSIRIS-Rex chegou com sucesso ao asteroide Bennu  esta segunda-feira. Recorde o momento aqui em baixo.

Não é a primeira vez que uma agência espacial chega a um asteroide: em setembro, a JAXA — a agência japonesa — tornou-se na primeira do mundo a aterrar e a explorar um asteroide, o Ryugu. Antes, em 2000, a NASA também já tinha sido capaz de aterrar uma sonda num asteroide, o Eros, mas NEAR Shoemaker não era capaz de explorar esse corpo celeste. Agora, a agência norte-americana quer ser a primeira a recolher amostras num asteroide e a trazê-las de volta à Terra. Parte das rochas vão ser estudadas imediatamente. E outra parte vai ser guardada “para ser estudada com tecnologias que ainda não temos, para responder a perguntas que ainda não fizemos”, explica a NASA.

Apesar de chegar ao Bennu já esta segunda-feira, dois anos após ter deixado a Terra, esta missão exige paciência: só a partir de julho de 2020 é que a sonda vai começar a explorar o corpo celeste. Além disso, OSIRIS-Rex não vai realmente pousar na superfície de Bennu, mas antes flutuar por cima dele e esticar um braço metálico que será responsável por recolher as amostras de rochas. É precisamente por não aterrar no asteroide que o OSIRIS-Rex consegue regressar à Terra com o material que precisamos de explorar.

O braço, chamado Touch-and-Go Sample Acquisition Mechanism, tem 3,35 metros separados em três juntas que, numa comparação ao braço humano, funcionam como o pulso, o cotovelo e o ombro. A mão desse braço é uma peça redonda que funciona mais ou menos como o filtro de ar de um automóvel. Quando essa mão tocar na superfície de Bennu, um jato de azoto vai atingir a superfície do asteroide para levantar pó e rocha. Essas amostras vão ser guardadas em dois reservatórios laterais em apenas cinco segundos. A seguir, o braço vai levantar muito lentamente. E uma câmara vai filmar e fotografar as amostras para confirmar que os reservatórios estão cheios. Ao fim de um ano,  OSIRIS-Rex começa a viagem de regresso à Terra. Deve chegar cá em 2023.

Há 780 mil asteroides conhecidos. Porquê Bennu?

Porque está muito perto da Terra. Ao contrário dos corpos celestes que gravitam o Sol na Cintura de Asteroides entre Marte e Júpiter, a órbita de Bennu fica próxima à da Terra e cruza-a de vez em quando. O asteroide faz a aproximação mais estreita à Terra a cada seis anos. Além disso circunda o Sol no mesmo plano que a Terra, o que permite poupar a energia que é necessária para expulsar o OSIRIS-Rex para fora da atração da Terra e para dentro do plano de Bennu.

Porque tem o tamanho ideal.  Tal como os planetas que compõem o Sistema Solar, também os asteroides giram em torno do próprio eixo. Os mais pequenos — que são normalmente os que têm diâmetros de 200 metros — tendem a girar tão rápido que podem dar mais que uma rotação completa por minuto. Esse movimento giratório, se for muito rápido, faz com que seja muito difícil para uma sonda aproximar-se dele e recolher amostras de rochas. Bennu não é demasiado pequeno: tem 492 metros de diâmetro, um pouco mais do que a altura do Empire State Building em Nova Iorque. E é relativamente lento: gira uma vez a cada quatro horas.

Porque é velho, mas está bem conservado. Bennu é um testemunho da formação do Sistema Solar e alguns dos minerais que o compõem podem ser mais antigos do que ele. Se assim for, esses minerais podem ter vindo de materiais expelidos por estrelas moribundas, mas que se uniram mais tarde para formar o Sol e os planetas do Sistema Solar há 4,6 mil milhões de anos. Mas Bennu é “uma cápsula do tempo do início do Sistema Solar” porque ficou preservado no vácuo do espaço. É possível que tenha chocado com um asteroide maior há entre 1 e 2 mil milhões de anos de anos — daí ter uma órbita tão próxima da Terra na atualidade –, mas os cientistas acreditam que isso não alterou a composição química dele.

Porque nos pode ajudar a saber mais sobre os outros asteroides. Desde 1999, ano em que foi descoberto, que os astrónomos estudam este asteroide. Alguns dos pormenores sobre as propriedades físicas e químicas do Bennu sabemos graças às observações que fazemos. Outros pormenores descobrimos ao astudar os meteoritos que caem na Terra. Com o OSIRIS-REx, os cientistas esperam confirmar se aquilo que sabem sobre o Bennu está mesmo correto. Se não estiver, nada fica perdido: as novas descobertas vão ajudar a aperfeiçoar as observações telescópicas e os modelos usamos para conhecer outros asteroides.

Porque pode explicar o efeito Yarkovsky. O efeito Yarkovsky é um processo através do qual a luz solar aquece uma parte de um pequeno asteroide, que depois irradia sob a forma de calor à medida que gira. Se esse asteroide tiver uma rotação progressiva, como a Terra tem, essa energia térmica empurra-o para mais longe do Sol; mas se ele tiver uma rotação contrária ao sentido da translação, o asteroide tende a aproximar-se do Sol. Este último caso pode ser o do asteroide Bennu, que se tem afastado da nossa estrela a uma média de 280 metros por ano. Mas só OSIRIS-Rex pode dar-nos a certeza absoluta.

Porque nos pode ajudar a saber como evitar colisões entre a Terra e os asteroides — incluindo o Bennu. Há um receio em relação ao asteroide Bennu: se ele estiver mesmo a ser atingido pelo efeito Yarkovsky, ele pode chegar mais perto da Terra do que a Lua está neste momento em 2135. Talvez até possa chegar ainda mais perto algures entre 2175 e 2195. E isso pode significar que a hipótese de uma colisão não está completamente descartada. Embora essa opção seja improvável, as próximas gerações podem usar os dados recolhidos pelo OSIRIS-Rex para encontrar maneiras de “desviar asteroides ameaçados e talvez usar o efeito Yarkovsky a seu favor”.

Ao estudar os asteroides, também podemos saber mais sobre a origem da vida. Alguns asteroides parecem ter compostos orgânicos — substâncias químicas que contêm carbono na sua composição — ou podem ter tido água no passado. Uma das teorias para explicar o desenvolvimento da vida na Terra é que um desses asteroides tenha colidido com o nosso planeta e trazido para cá os compostos essenciais para a vida tal como a conhecemos.

Além disso pode haver a possibilidade de utilizar os asteroides para exploração mineira. E isso pode trazer duas vantagens. Uma delas é o interesse científico, porque estudá-los complementa os estudos em desenvolvimento sobre os principais planetas: “Analisar as diferenças entre os planetas e os asteroides menores é como olhar para dentro de fatias do Sistema Solar em diferentes momentos durante a formação dele”, explicou à Space.com Carol Raymond, investigador da NASA na missão Dawn. A outra vantagem é a financeira: a mineração de asteroides pode permitir explorar as matérias-primas de asteroides que sejam ricos em ferro, titânio e até água.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)