Greve

Greve de juízes adia dezenas de julgamentos em todo o país

116

O oitavo dia da greve dos juízes levou ao adiamento de dezenas de julgamentos, alguns com presos, segundo o balanço sindical feito esta manhã. Um balanço mais detalhado será feito ao final da tarde.

GIL COHEN MAGEN/POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Dezenas de julgamentos, alguns com presos, foram esta quarta-feira adiados em todo o país, no oitavo dia de greve dos juízes que afetou sobretudo juízos criminais locais e centrais, segundo um primeiro balanço sindical feito ao final da manhã.

Juízos centrais criminais como os do Porto (Tribunal de São João Novo), Évora ou Açores registaram adesões à greve de 100%, tal como os de Santa Maria da Feira (Aveiro) ou Guimarães (Braga), disse o presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses, Manuel Soares.

No caso do tribunal central criminal de São João Novo, um dos magistrados judiciais daquela instância do Porto afirmou à agência Lusa que a adesão à greve de todos os 15 juízes obrigou ao adiamento de 16 diligências, três delas envolvendo presos preventivos ou sujeitos a prisão domiciliária.

O adiamento de julgamentos com presos ocorreu igualmente no Juízo Central do Funchal, onde a adesão dos magistrados judiciais à greve foi também total, segundo Manuel Soares. A fonte disse ter registado igualmente adesões a 100% em instâncias locais criminais dos Açores, Viana do Castelo, Leiria, Vila Franca de Xira, Vila Real, Alcobaça ou Torres Novas.

O ciclo de greves dos juízes, iniciado em 20 de novembro e a terminar em outubro de 2019, compreendendo 21 dias intercalados, tem vindo a desenvolver-se por áreas, afetando hoje os juízos locais e centrais criminais de todo o país, bem como os tribunais administrativos e fiscais do Porto.

No Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, às 10h20 só estavam no tribunal 14 dos 24 juízes, “presumindo-se que os ausentes tivessem aderido à greve”, segundo a fonte. Um balanço mais detalhado será feito ao final da tarde, adiantou o dirigente sindical.

A greve dos juízes portugueses surge em protesto contra a aprovação de um estatuto “incompleto”, que alegam não assegurar questões remuneratórias, o aprofundamento da independência judicial e os bloqueios na carreira. A última greve dos magistrados judiciais ocorreu há já 13 anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Não são de direita, não têm o nosso voto /premium

João Marques de Almeida

Se Rangel e Rio não são de direita, então os eleitores de direita não devem votar neles. Votem no CDS, na Aliança ou na Iniciativa Liberal. Reduzidos aos eleitores de esquerda, verão o que lhes sucede

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)