Hyundai

Kauai Electric vê a sua autonomia “encolher”

Quando foi apresentado, o Kauai Electric revelou uma autonomia entusiasmante: 470 km com uma única carga. A concorrência nem queria acreditar e, afinal, parece que até tinha razões para o não fazer.

No Kauai Electric, tudo é sul-coreano, da tecnologia do automóvel à utilizada nas baterias. Porém, quando o modelo surgiu no mercado com a bateria de maior capacidade, com 64 kWh, anunciou 470 km segundo a norma WLTP (Worldwide Harmonised Light Vehicle Test Procedure), aquela que está actualmente em vigor na Europa e que é bastante mais exigente do que a que veio substituir, o antigo ciclo de medição de consumos e emissões NEDC.

Alvo de algumas pressões, a Hyundai vem agora a público assumir que a empresa a quem delegou a determinação do consumo eléctrico e, por tabela, da autonomia, foi demasiado optimista, obrigando a marca sul-coreana a rever os valores em baixa. Em vez dos anteriores 470 km, o Kauai Electric afinal percorre apenas 449 km.

O fabricante aproveitou para rever também a autonomia do Kauai com a bateria de menor capacidade, 39,2 kWh, que até aqui anunciava 300 km. Neste caso, a correcção foi de menor monta, tendo caído somente para 290 km.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)