Ambiente

Este diesel não contém diesel! E polui muito menos

587

Produtos derivados e resíduos, óleos reciclados e gordura. São estes os componentes do C.A.R.E. Diesel, um combustível que nada tem de fóssil e tem tudo de renovável. Reduz as emissões de CO2 em 65%.

Neste momento, os membros do conselho de administração da Bosch deslocam-se em veículos movidos a diesel totalmente renovável. Trata-se do C.A.R.E diesel, um combustível que, apesar do nome, prescinde de gasóleo na sua composição, antes sendo sintetizado a partir de produtos derivados e resíduos, óleos reciclados e gordura. As promessas são de que a sua utilização permite reduzir as emissões de CO2 em cerca de dois terços, ou 65% numa análise well-to-wheels  (do poço às rodas). Há desvantagens, mas já lá iremos.

Quem produz o C.A.R.E. diesel são os finlandeses da Neste, empresa especializada em biocombustíveis e que, entre outros produtos, desenvolveu o R33 Blue Diesel. Mas se este combustível, que já está ser produzido pela Shell, permite apenas baixar as emissões de CO2 em 20%, o C.A.R.E é três vezes mais eficaz. Tanto que a sua designação comercial, detida pela Tool-Fuel (a empresa responsável pela distribuição na Alemanha), abrevia as suas principais qualidades: “Redução de CO2, Grau Ártico, Renovável, Redução de Emissão”.

Como é que um ‘diesel’ pode ser tão eficaz em matéria de pegada ambiental? A Bosch explica que “a vantagem do CO2 está relacionada somente com o facto das emissões de CO2 resultantes da conversão de materiais residuais em combustível serem tidas em consideração. Os resíduos em si, como já existem, são considerados neutros em CO2.”

Tratando-se de um combustível parafínico renovável, o C.A.R.E. é muito mais amigo do ambiente, mas essa que é a sua maior qualidade é, também, a que lhe levanta maiores inconvenientes. Ao ser parafínico, possui uma densidade ligeiramente inferior e uma maior capacidade de ignição do que o diesel convencional. Daí que as autoridades reguladoras tenham sentido a necessidade de enquadrá-lo numa norma específica, a EN 15490. Significa isto que a utilização do C.A.R.E. diesel requer que os fabricantes aprovem este combustível para o modelo que vai locomover, o que não será de somenos importância atendendo a que é necessário “investigar a compatibilidade dos componentes, aumentos potenciais no pico de pressão durante a combustão e outros factores”. A boa notícia é que as actualizações técnicas não deverão ser complicadas, pois já existem várias frotas de teste a circular com recurso ao C.A.R.E. diesel.

Contudo, não espere ver esta opção no mercado tão depressa. Primeiro, porque isso implica que as leis que regulam o combustível vendido em postos públicos adoptem a tal norma EN 15490. Segundo, porque esta alternativa ao gasóleo convencional ainda não está disponível em quantidade suficiente para fornecer em larga escala em toda a Europa. Terceiro, porque mesmo que estivesse, o preço vai necessariamente reflectir os custos de produção, pelo que um litro de C.A.R.E. diesel deverá ser ligeiramente mais caro que o diesel convencional.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
Combustível

O significado político dos coletes amarelos

Luís Ribeiro

As manifestações dos coletes amarelos foram a primeira movimentação popular de peso contra políticas ambientais. O seu profundo significado político reside precisamente no reconhecimento desse facto.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)